Índia deve triplicar emissões até 2030, diz estudo

Image caption A Índia afirma que as emissões per capita continuarão baixas.

As emissões indianas de gases poluentes que causam o efeito estufa devem triplicar nas próximas duas décadas, segundo um estudo divulgado nesta quarta-feira pelo governo da Índia.

Segundo o documento, as emissões devem subir dos atuais 1,2 bilhões de toneladas anuais para entre 4 bilhões e 7 bilhões até 2030.

O relatório divulgado pelo governo indiano deve formar a base da estratégia de negociações do país na conferência da ONU sobre mudanças climáticas de Copenhage, agendada para dezembro.

Na reunião da Dinamarca será discutido um novo tratado internacional para substituir o Protocolo de Kyoto, que estabelece limites às emissões de gases do efeito estufa e que expira em 2012.

O ministro do Meio-Ambiente da Índia, Jairam Ramesh, afirmou que o documento, elaborado por cientistas indianos, demonstra a seriedade com a qual o país trata daquestão do aquecimento global.

Pressão

Embora reconheça o grande aumento no volume de gases no meio-ambiente, Ramesh ressalta que as emissões per capita da Índia ainda vão ser bem menores do que as dos países desenvolvidos.

Existe uma grande pressão internacional para que a Índia se comprometa em dezembro com cortes de emissões.

Mas como a China, o país recusa a se comprometer com reduções até que países desenvolvidos também concordem em reduções.

No momento, as emissões indianas representam 5% das emissões globais, índice muito menor do que as emissões de países como Estados Unidos, Rússia e China.