Irã apresenta novas propostas sobre programa nuclear a grupo de negociação

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Manouchehr Mottaki
Image caption Mottaki espera que pacote inaugure nova rodada de negociações

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Manouchehr Mottaki, apresentou, nesta quarta-feira, um pacote de propostas sobre o programa nuclear do país a representantes dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - Grã-Bretanha, China, França, Rússia e Estados Unidos – e da Alemanha.

“Esperamos que com as medidas propostas no pacote sejamos capazes de inaugurar uma nova rodada de negociações”, afirmou Mottaki.

O conteúdo do pacote ainda não foi divulgado.

Diversas nações ocidentais acusam o Irã de usar seu programa nuclear como fachada para a fabricação de armas. A alegação é rejeitada pelo governo iraniano, que afirma desejar apenas obter energia.

Em agosto, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu que o Conselho de Segurança da ONU aplique o que chamou de "sanções paralisantes" para pressionar o Irã.

Mas, até agora, a estratégia da comunidade internacional tem sido aplicar uma tática que mistura pressão e ofertas ao mesmo tempo. Entre outras exigências, o Irã pode receber benefícios comerciais se suspender o programa de enriquecimento de urânio.

O presidente americano, Barack Obama, havia dado o prazo até o final de setembro para que o Irã aceitasse discutir o assunto.

Segundo o correspondente da BBC para assuntos internacionais Peter Biles, alguns analistas acreditam que o Irã só estaria tentando ganhar tempo com as propostas.

O presidente do país, Mahmoud Ahmadinejad, deve comparecer à Assembleia Geral da ONU neste mês em Nova York e a disposição do Irã em cooperar com a comunidade internacional está sob grande observação no momento, afirmou Bieles.

‘Perigo’

A entrega do pacote de propostas pelo governo iraniano coincide com a declaração do enviado especial dos Estados Unidos na Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Glyn Davies, de que o Irã estaria em condições de produzir uma arma nuclear.

Em uma reunião com a comissão formada por representantes dos 35 países da Agência em Viena, Davies afirmou que Teerã está perto ou já possui quantidade suficiente de urânio para produzir uma arma nuclear. O urânio iraniano é de baixo teor de enriquecimento e precisaria ser enriquecido em nível mais alto para a fabricação de uma arma.

“Nós temos sérias preocupações de que o Irã está deliberadamente tentando, no mínimo, preservar a opção por armas nucleares”, afirmou Davies.

O presidente da AIEA, Mohamed El Baradei, havia dito que a ameaça do Irã estava sendo “exagerada”.

Mas na segunda-feira, durante uma reunião da Agência, ele pareceu um pouco impaciente e afirmou que as negociações estavam “paralisadas”.

“É essencial que o Irã volte a se comprometer com a agência para esclarecer e encerrar todas as questões pendentes”, disse.

O Irã continua a enriquecer urânio desafiando as recomendações da ONU, alegando que tem o direito a um programa de energia nuclear.

Notícias relacionadas