Lula diz esperar que forças hondurenhas 'não mexam na embaixada'

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Wilson Dias/ABr, 16 de setembro)
Image caption Lula conversou com Zelaya por telefone nesta terça-feira

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta terça-feira que espera que as forças fiéis ao governo interino de Honduras “não mexam na embaixada brasileira” em Tegucigalpa, onde está abrigado desde a segunda-feira o presidente deposto do país, Manuel Zelaya.

Lula, que está em Nova York para participar da Assembleia Geral das Nações Unidas, disse que conversou por telefone com Zelaya nesta terça-feira.

“Hoje pela manhã falei com o presidente Zelaya simplesmente para pedir que ele não permita que nenhum golpista resolva praticar violência”, disse Lula durante uma coletiva.

De acordo com Lula, Zelaya teria passado uma “noite tranquila” na embaixada brasileira em Tegucigalpa.

“A única coisa que ele me disse é que está pedindo ao povo que, se fizer manifestação, que seja pacífica”, disse Lula.

“Saída democrática”

Para justificar o fato de o governo brasileiro ter permitido que Zelaya se abrigasse na embaixada em Tegucigalpa, Lula afirmou que “o Brasil fez o que qualquer país democrático faz”.

Lula voltou a manifestar apoio à volta de Zelaya à Presidência de Honduras e defendeu que a Organização dos Estados Americanos (OEA) é o melhor fórum de negociações entre o presidente deposto e o governo do presidente interino, Roberto Micheletti.

“Gostaríamos que os golpistas pudessem negociar uma saída democrática para Honduras. O melhor negociador deve ser o secretário-geral da OEA (José Miguel Insulza), que é uma instituição multilateral que representa os países das Américas”, disse o presidente.

“Acho que é muito importante para o mundo inteiro, os Estados Unidos, a OEA, não aceitarem golpes. Nós estamos consolidando a democracia em nosso continente e não podemos aceitar.”

Leia também na BBC Brasil: Presença de Zelaya em Honduras pode facilitar o diálogo, diz Amorim

Notícias relacionadas