Enviado da ONU ao Afeganistão diz que houve 'fraudes generalizadas'

Kai Eide
Image caption Kai Eide rebateu críticas à sua conduta no Afeganistão.

O enviado da ONU (Organização das Nações Unidas) ao Afeganistão, Kai Eide, deu neste domingo suas mais fortes declarações sobre a forma como as eleições do país foram conduzidas.

Eide disse que houve “fraudes generalizadas” durante a eleição presidencial.

Respondendo a acusações de que encobriu o tamanho das fraudes, o enviado da ONU disse que as irregularidades foram “significativas”, mas que ainda não está claro o efeito que tiveram no resultado do pleito.

“É verdade que houve fraudes significativas em um número de postos de votação no sul e no sudeste do país”, disse Eide, em Cabul, acompanhado de embaixadores dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e França.

“A extensão das fraudes está sendo agora determinada”, disse.

Briga

De acordo com observadores da União Europeia, cerca de 1,5 milhão de votos nas eleições de agosto, cerca de um quarto do total, podem ter sido fraudulentos.

Eide disse ainda que acusações feitas por seu ex-vice são ataques contra sua dignidade e ferem o processo eleitoral.

Peter Galbraith, que foi demovido de seu posto em setembro, disse que a missão da ONU em Cabul está “sem liderança” e que Eide é um “supervisor horrível”.

Galbraith deixou o Afeganistão após uma suposta briga com seu chefe sobre a forma como a ONU estava conduzindo a crise.

Ele também pediu uma recontagem completa dos votos, o que teria irritado o presidente Hamid Karzai, cujos partidários vêm sendo os mais acusados de irregularidades.

"As alegações feitas contra mim por meu ex-vice não foram apenas ataques pessoais contra mim e minha dignidade, mas também foram ataques que afetaram todo o processo eleitoral", disse Eide.

A Comissão de Queixas Eleitorais e a Comissão Eleitoral Independente do Afeganistão estão quase terminando a auditoria das urnas identificadas como suspeitas, segundo a ONU.

Karzai lidera a contagem parcial dos votos, com 55%, contra 28% de seu rival Abdullah Abdullah.

Também neste domingo, o presidente afegão teria dito que o atraso no anúncio do vencedor oficial das eleições está prejudicando o Afeganistão.

“Dia após dia, o Afeganistão enfrenta mais problemas de segurança, há uma redução da renda nacional, um aumento da insegurança no país e um impacto negativo nos negócios diários”, disse ele, segundo a agência Associated Press.

Notícias relacionadas