Rio tem pior onda de violência desde escolha como sede da Olimpíada

Policiais e moradores da favela Morro dos Macacos
Image caption Violência era principal preocupação dos críticos da Olimpíada no Rio

Ao menos 12 pessoas morreram neste sábado no Rio de Janeiro na pior onda de violência na cidade desde sua escolha como sede dos Jogos Olímpicos de 2016, no início do mês.

Entre as vítimas estão dois policiais que morreram após o helicóptero em que voavam ser atingido por tiros e explodir após um pouso forçado em um campo de futebol de terra no morro São João.

A onda de violência foi desatada por confrontos entre gangues rivais de traficantes na zona norte da cidade.

Pelo menos dez ônibus foram queimados nas proximidades da favela Morro dos Macacos, em resposta à operação policial na região que tentou controlar os confrontos entre as gangues.

Segundo a secretaria da Segurança Pública do Rio, ao menos oito traficantes foram mortos e seis pessoas ficaram feridas, incluindo dois civis e um policial.

O problema da alta taxa de criminalidade e violência na cidade era apontado pelos críticos como um dos maiores obstáculos à escolha do Rio como sede da Olimpíada de 2016.

Invasão

Segundo as autoridades locais, os confrontos começaram quando traficantes do Morro São João tentaram invadir o Morro dos Macacos para tentar controlar a venda de drogas no bairro.

Um helicóptero da polícia enviado para a região para participar da operação de combate à violência foi alvejado por tiros, que atingiram o piloto na perna.

O helicóptero, com seis policiais a bordo, foi forçado a pousar no Morro São João e acabou explodindo, provocando a morte de dois de seus ocupantes.

Após a explosão, houve novos confrontos entre traficantes e mais de cem policiais do Bope (Batalhão de Operações Especiais).