Afeganistão anuncia nesta terça resultado final da eleição

Cartaz com Karzai no Afeganistão
Image caption Karzai indicou que aceitará decisão final da comissão eleitoral

A Comissão Eleitoral Independente do Afeganistão vai anunciar nesta terça-feira os resultados definitivos da eleição presidencial de agosto.

O anúncio será feito um dia depois que a Comissão para Queixas Eleitorais, um painel apoiado pela ONU, disse que há claros indícios de fraude.

O presidente afegão, Hamid Karzai, disse, através de um porta-voz, que aceitará as conclusões da Comissão Eleitoral Independente.

Ainda não está claro se a Comissão, vista por muitos como pró-Karzai, vai seguir as mesmas conclusões do painel da ONU.

Segundo turno ou coalizão

Resultados iniciais no mês passado apontaram que Karzai recebeu 55% dos votos e que seu principal adversário na disputa, Abdullah Abdullah, ganhou 28%. Esses resultados dariam a Karzai uma vitória em primeiro turno.

Mas o painel da ONU afirmou que, se não forem computados os votos de urnas consideradas fraudadas, Karzai teria menos de 50% dos votos, o que exigiria a realização de um segundo turno.

O painel da ONU acredita que há "sinais claros e convincentes de fraude". O painel pede a anulação de urnas de 210 colégios eleitorais pelo país.

Cerca de 1,3 milhões de votos em favor de Karzai – ou um quarto do total de votos – não seriam válidos.

Logo após o pleito, Karzai disse que não haveria um segundo turno, mas o presidente afegão estuda a possibilidade de formar um governo de coalizão com Abdullah.

Há temores de que um segundo turno levaria a mais fraudes, violência e conflitos étnicos.

Os organizadores da eleição correm contra o tempo, já que o norte do país fica inacessível durante o inverno, de dezembro a março.

Autoridades ocidentais estão pressionando Karzai para que ele aceite um segundo turno ou para que forme um governo com Abdullah e seus partidários.

Enquanto observa o resultado das eleições no Afeganistão, o governo americano estuda o envio de mais 40 mil soldados ao país.

Notícias relacionadas

Links de internet relacionados

A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos de internet