Tufão Mirinae deixa sete mortos nas Filipinas

Image caption Moradores de Santa Cruz, na província de Laguna, atravessam a enchente

Pelo menos sete pessoas morreram nas Filipinas depois da passagem do tufão Mirinae, o terceiro a atingir o país em um mês.

O Mirinae atingiu a província de Queson, no leste do país, pouco depois da meia noite. Milhares de pessoas foram retiradas de suas casas devido à ameaça de deslizamentos de terra.

A tempestade arrancou árvores pelas raízes, derrubou casas e deixou milhares de viajantes isolados, que se dirigiam para casa de familiares para o feriado de Todos os Santos.

De acordo com o repórter da BBC na capital, Manila, Danny Vincent, as equipes de resgate tentam trabalhar na região depois que a passagem de ventos de mais de 160 quilômetros por hora cortou o fornecimento de energia elétrica.

As autoridades aconselharam os sobreviventes a levar um kit de sobrevivência e se preparar para o pior e, antes, já tinham dado ordens para que 115 mil pessoas nas províncias ao sul da capital deixassem suas casas.

O tufão Mirinae enfraqueceu apenas na tarde deste sábado e agora estaria se dirigindo para o Vietnã.

Escolas fechadas

As autoridades ordenaram o fechamento de escolas e a paralisação das atividades das balsas. Caminhões carregados com suprimentos foram enviados para áreas do norte, no caminho pelo qual a tempestade passou.

Cerca de 180 voos que deixariam Manila foram cancelados.

Os 12 milhões de habitantes da capital e outros que se encontram no caminho do tufão foram orientados a estocar suprimentos que durem pelo menos 72 horas.

Vanessa Tobin, Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) nas Filipinas, disse à BBC que a chuva foi muito pesada na capital na manhã de sábado e depois vieram os fortes ventos.

"As informações vindas de Manila não são tão ruins como esperávamos. Mas temos informações do sul do país..., principalmente Bicol, que em 2006 foi atingida por deslizamentos de terra, que ocorreram chuvas pesadas e também danos", afirmou.

De acordo com Danny Vincent as chuvas mais pesadas que atingiram o leste das Filipinas não chegaram à maior parte da costa oeste, uma área onde a maioria das casas ainda está inundada devido aos tufões anteriores.

No início do mês de outubro, o tufão Parma causou inundações e deslizamentos de terra que mataram pelo menos 200 pessoas.

Há um mês, no dia 26 de setembro, a tempestade tropical Ketsana atingiu a região, causando as chuvas mais pesadas dos últimos 40 anos. Mais de 300 pessoas morreram.

No dia 7 de agosto o tufão Morakot atingiu o norte das Filipinas, matando pelo menos dez pessoas.