Asfalto na Floresta: Vista de cima, a BR-319 parece uma espinha de peixe

ASFALTO NA FLORESTA

Ver a BR-319 de cima é provavelmente a maneira mais rápida de se entender o que está em jogo na discussão sobre a reabertura ou não da rodovia.

Com a autorização de funcionários encarregados da manutenção de uma das mais de 40 torres da Embratel que garantem o bom funcionamento da infra-estrutura de telecomunicações da região amazônica, pode-se escalar as estruturas e ver a floresta de cima.

O que se enxerga é verde para tudo quanto é lado e uma cicatriz amarelada, com manchas pretas de asfalto – a BR-319.

Do alto, o isolamento das pessoas que vivem às margens da rodovia, hoje uma trilha esburacada, é literalmente visível. A distância entre as comunidades é enorme.

Por outro lado, não é preciso ter muita imaginação para se visualizar o estrago que estradas secundárias – já planejadas pelos governos estaduais – poderia fazer.

Espinha de peixe

Vista de cima, a rodovia corta um mar de floresta verde

Basta imaginar cicatrizes transversais à rodovia, e daí, outros pequenos cortes também transversais. É o chamado "efeito espinha de peixe".

Um dos mais respeitados especialistas em Amazônia, o professor Phillip Fearnside, do Instituto de Pesquisas da Amazônia (Inpa), publicou um estudo recentemente afirmando que o impacto da BR-319 e suas transversais pode derrubar até 33% da floresta intocada.

Por outro lado, o governo brasileiro, ou pelo menos os defensores da reabertura da estrada dentro dele, refutam essa ideia, sob o argumento de que a criação de 27 unidades de conservação ao longo da BR-319 vai proteger a região.

O conceito foi até apelidado de "estrada-parque" pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Desenvolvimento e proteção

Perto de Manaus, civilização retorna - e também os sinais de destruição

No entanto, outra coisa fácil de perceber de cima é a dificuldade de fiscalização de uma área tão vasta.

Em conversas com moradores, a opinião é praticamente unânime: a estrada seria extremante útil; mas ao mesmo tempo, eles também querem ver a proteção da floresta.

Indo de Igapó Açu até Careiro, perto de Manaus, tem-se a nítida impressão de estar voltando à civilização: mais carros, asfalto melhor (já sendo reconstruído pelo Exército) e muito mais áreas queimadas.

Regularmente aparecem as áreas queimadas coladas à BR-319. Coincidência ou não, a incidência destes campos queimados – para transformar a floresta em pasto ou em lavoura – é bem mais visível nas partes já reasfaltadas pelo Exército.

Será que, se voltarmos em dois anos ao trecho fechado da rodovia, caso o projeto de recapeamento da BR seja aprovado, veremos a repetição desse efeito por lá?

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.