Dalai Lama visita cidade na fronteira com o Tibete

Dalai Lama
Image caption Visita foi vista pelo governo chinês como provocação

Milhares de pessoas foram dar as boas vindas ao Dalai Lama, que iniciou uma polêmica visita a um monastério na Índia próximo à fronteira com o Tibete.

O líder espiritual tibetano, no exílio desde 1959, chegou neste domingo a Tawang, no Estado de Arunachal Pradesh, território disputado entre a Índia e a China.

O governo de Pequim acusa o Dalai Lama de tentar minar seu poder no Tibete e afirma que a visita é em oposição à China.

O Dalai Lama, que fugiu para a Índia quando tropas chinesas reprimiram uma tentativa de levante no Tibete, 50 anos atrás, insiste que a viagem não é política.

Em agosto deste ano, o líder espiritual de 74 anos fez outra visita polêmica a Taiwan, região que a China considera como parte de seu território.

‘Interferência interna’

As baixas temperaturas em Tawang não impediram que milhares de pessoas fossem às ruas para ver o Dalai Lama.

Bandeiras de prece tibetanas voavam e monges tocavam pratos e cornetas enquanto o Dalai Lama se dirigia ao monastério tibetano, o segundo maior deste tipo na Índia, para realizar uma sessão de preces.

Alguns peregrinos chegaram a caminhar cinco dias para ver o líder espiritual.

Arunachal Pradesh foi a primeira escala do voo de Dalai Lama quando ele deixou o Tibete em 1959, e o líder disse que se sente muito ligado à região. Esta é sua quinta visita em 50 anos.

O líder espiritual afirmou que as acusações de Pequim de que a visita é em oposição e prejudica as relações entre a China e a Índia são infundadas.

“Minha visita a Tawang não é política e tem por objetivo promover a irmandade universal e mais nada”, disse o Dalai Lama.

O ministro chefe de Arunachal Pradesh, Dorjee Khandu, disse que Pequim “não tem o direito de interferir nos assuntos internos da Índia”.

A viagem ocorre apenas semanas depois de uma visita do primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, à região.

O governo chinês também criticou a viagem, acusando o premiê indiano de ignorar suas preocupações.