Fornecimento de energia volta ao normal após apagão

Vista geral de São Paulo durante o apagão
Image caption São Paulo e Rio de Janeiro foram dois dos Estados mais atingidos pelo apagão

O fornecimento de energia elétrica foi normalizado a partir da madrugada desta quarta-feira depois do apagão que atingiu, em diferentes proporções, dez Estados brasileiros.

Pouco depois das 22h (horário de Brasília), o fornecimento de energia elétrica foi interrompido em grande áreas do país. A região mais afetada foi a sudeste e os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo teriam sido completamente atingidos.

Além destes foram atingidos pela interrupção também Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Paraná e Rio Grande do Sul, além do Paraguai.

De acordo com o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), cerca de 800 cidades brasileiras foram atingidas pela falta de energia elétrica.

Segundo nota no site da Usina de Itaipu, a "Itaipu Binacional (...) voltou a operar em condições de normalidade na manhã desta quarta-feira, a partir das 6 horas, horário brasileiro".

No entanto, na manhã desta quarta-feira a página da usina ainda informava que a causa do apagão não havia sido esclarecida.

"Itaipu ainda não tem informações sobre o que teria provocado o blecaute. A empresa vai colaborar na investigação das suas causas", informou a usina.

Causas

Em uma entrevista coletiva em Brasília, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, afirmou que as causas exatas do apagão ainda não são sabidas.

Segundo ele, houve um "desligamento completo" da hidrelétrica de Itaipu Binacional provocado por "fatores atmosféricos", o que causou um efeito cascata.

Apesar disso, o presidente da usina, Jorge Samek, afirmou que o problema não foi na geração de energia, mas na transmissão.

"A causa do blecaute não teve origem na usina de Itaipu", diz um comunicado divulgado pela hidrelétrica.

Segundo a nota, a hipótese mais provável "é que tenha havido algum acidente que afetou um ou mais pontos do sistema de transmissão, inclusive o de Furnas, responsável por levar a energia de Itaipu para o Sul e Sudeste, acidente este que provocou outros, fenômeno que se costuma chamar de efeito dominó".

A usina informou que imediatamente depois do blecaute, "Itaipu estava com suas máquinas ligadas, girando no vazio, porém, sem possibilidade de transmitir energia, pois as linhas de transmissão que conectam Itaipu ao sistema brasileiro estavam desligadas".

"Em 15 minutos, o sistema paraguaio já estava sendo suprido por Itaipu, o que reforça o fato de que a causa do defeito foi externa à usina", continuou a nota.

Em seu perfil no Twitter, a usina informou também "nove horas depois do início do blecaute, a situação é de normalidade em Itaipu" e que "indícios apontam para falha na transmissão entre o Paraná e São Paulo".

Segurança

Como medida de segurança, o governador de do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, que estava em Brasília durante o apagão, disse que entrou em contato com o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e pediu para que ele colocasse em alerta máximo a Guarda Municipal.

Segundo Cabral, a medida é preventiva porque, apesar da falta de energia, a situação na cidade é tranquila. O governador também determinou que efetivos do Batalhão de Operações Especiais (Bope) se dirigissem para as principais vias da cidade a fim de garantir a segurança dos motoristas.

A falta de energia causou problemas principalmente para o trânsito. No Rio de Janeiro, os sinais de trânsito ficaram desligados durante as quatro horas de apagão, complicando a circulação de veículos. O retorno da luz na região da orla da praia de Copacabana foi comemorada pelos residentes que passavam pelo local.

Na cidade de São Paulo, o trânsito também apresentou problemas nos principais corredores de tráfego com o desligamento dos sinais de trânsito. Além disso, o sistema de metrô, assim como as linhas ferroviárias também pararam de funcionar, afetando o trajeto de milhares de paulistanos.

A situação forçou a prefeitura da cidade de São Paulo a suspender o rodízio de automóveis na manhã desta quarta-feira e a aumentar a frota de transporte público para atender a população, no entanto muitos ficaram nas ruas esperando o retorno da energia elétrica.