Pais de menino do balão vão admitir culpa, diz advogado

Falcon Heene em outubro (arquivo)
Image caption O suposto desaparecimento de Falcon causou comoção nos EUA

Os pais do menino americano Falcon Heene, que desencadearam uma grande operação de resgate alegando que o filho estava dentro de um balão desgovernado em 15 de outubro, vão admitir culpa em um processo contra eles, disse nesta quinta-feira o advogado deles.

O advogado David Lane disse que o pai do menino, Richard, vai reconhecer na sexta-feira que tentou influenciar um funcionário público durante o incidente, um ato que é crime nos Estados Unidos e que pode condená-lo a uma multa de até seis anos de prisão.

Por sua vez, a mãe de Heene, Mayumii - uma japonesa que pode ser deportada se condenada por um crime mais sério -, deve admitir uma contravenção menos grave, a de comunicar falsamente uma ocorrência às autoridades. Por esse crime, ela pode ficar até seis meses atrás das grades e ser condenada a pagar uma multa de US$ 750.

O suposto desaparecimento de Falcon causou comoção nos Estados Unidos, num episódio muito divulgado pela imprensa do país.

Relembre o caso na BBC Brasil

Milhares de pessoas acompanharam ao vivo o evento, acreditando que o menino estivesse dentro de um balão, que voou desgovernado por horas pelo Estado do Colorado, acompanhado de perto por um helicóptero da polícia.

A polícia acusou a família Heene de planejar todo o incidente como parte de um golpe publicitário.

Balão vazio

O casal Heene informou à polícia que o filho de seis anos tinha sido levado por um balão de gás hélio de fabricação caseira.

Assim que a notícia do episódio foi divulgada, helicópteros e veículos da imprensa e de resgate passaram a seguir o balão e imagens do voo desgovernado passaram a ser transmitidas ao vivo.

A polícia fez uma operação de buscas pelo menino depois que o balão pousou em uma área descampada a cerca de 64 km de Denver. O balão foi encontrado vazio.

Depois foi descoberto que o menino estava escondido em casa. Dias depois o casal foi acusado de ter forjado todo o episódio.

O advogado da família David Lane, afirmou que a mãe do menino, Mayumii Heene, de 45 anos, vai admitir uma infração e o pai de Falcon, Richard, de 48 anos, vai admitir crime qualificado.

Lane afirmou que Richard Greene vai admitir a acusação de crime para evitar sua esposa, cidadã japonesa, seja deportada dos Estados Unidos.

De acordo com o advogado existe a possibilidade de que Mayumii seja condenada a até 60 dias de condicional e Richard Heene, até 90 dias.

Notícias relacionadas