Grã-Bretanha inicia inquérito sobre Guerra do Iraque

Image caption Tony Blair será uma das pessoas ouvidas no inquérito

Autoridades britânicas deram início nesta terça-feira a um inquérito oficial com o objetivo de apurar os detalhes do envolvimento da Grã-Bretanha na Guerra do Iraque.

Nos próximos meses devem ser interrogados dezenas de militares, integrantes e ex-integrantes do governo britânico e de agências de inteligência, além de ex-funcionários da Casa Branca. Entre as personalidades que devem testemunhar está o ex-primeiro-ministro britânico, Tony Blair, e o atual premiê, Gordon Brown.

O inquérito deve analisar o período entre 2001 e 2009 e observar três pontos principais: a justificativa para a entrada no conflito, a preparação para a invasão do Iraque, em 2003, e a falta de planejamento para a reconstrução do país asiático.

Nomeados por Brown, os membros da comissão de inquérito não vão estabelecer culpa ou determinar responsabilidade civil ou criminal, mas apenas emitir advertências e recomendações, na esperança de que eventuais erros não sejam repetidos no futuro.

Distanciamento’

Acredita-se que Tony Blair tenha que esclarecer se apoiou ou não secretamente o plano do então presidente americano George W. Bush de invadir o Iraque um ano antes de o Parlamento britânico autorizar a entrada do país no conflito.

Documentos vazados, publicados no domingo pela imprensa britânica, afirmam que a invasão havia sido planejada meses antes de ocorrer, mas o planejamento não teria sido bem-feito, o que teria levado os soldados a ser enviados ao país mal-equipados.

Durante os depoimentos desta terça-feira, Peter Ricketts, um alto funcionário do setor de inteligência do governo britânico em 2001, disse que Londres procurou “se distanciar” na época do debate sobre uma possível intervenção para afastar o então presidente iraquiano, Saddam Hussein, do poder.

Segundo ele, tal discussão existia nos Estados Unidos na época.

O relatório sobre o inquérito não deve estar pronto até o final de 2010 e pode demorar ainda mais se a evidência apresentada se mostrar complexa.

Notícias relacionadas