Uso de véu em hospital financiado pelo Irã cria polêmica na Bolívia

Funcionárias usam véu no hospital boliviano financiado pelo Irã
Image caption Véu suscita polêmica sobre liberdade religiosa (Cortesia Carmiña Moscoso)

Antes mesmo de começar a funcionar, um hospital financiado pelo governo iraniano na Bolívia está causando polêmica, depois que funcionárias da instituição foram fotografadas usando véus para cobrir o corpo e a cabeça.

O hospital, que só começará a funcionar em janeiro do ano que vem em El Alto, subúrbio de La Paz, nos Andes, foi inaugurado durante a visita do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, ao país.

As fotos, publicadas nos jornais <i>El Diário</i> e <i>La Razón</i>, causaram polêmica na Bolívia. Nas gravações feitas pelo <i>El Diário</i>, às quais a BBC teve acesso, duas mulheres confirmam o uso de véus.

Mas, enquanto uma diz que o uso da vestimenta é obrigatório, a outra diz que é facultativo.

"Nos disseram que se quiséssemos ser contratadas no hospital deveríamos usar o véu e bem, não entendo o que isso significa, mas como preciso do trabalho, não temos outra opção", disse uma enfermeira que não quis se identificar.

Já a funcionária administrativa responsável pelos funcionários do hospital, Pou Mount, disse que está usado o véu "como parte do uniforme, sob o conceito de que este é um pedacinho do Irã na Bolíva".

Ela disse que, na entrevista de seleção, foi perguntado se as mulheres "concordavam com as regras" e que "todas concordaram". "Ninguém é obrigada a usar o véu", disse.

<b>Liberdade religiosa</b>

Image caption Ministro disse que governo não recolheu nenhuma queixa sobre véu

Sob a nova Constituição boliviana, promulgada pelo governo de Evo Morales, "o Estado respeita e garante a todos a liberdade de religião e crenças espirituais, de acordo a visão de mundo de cada um".

Mas, para a ONG Católicas pelo Direito de Decidir, a prática observada no hospital "rompe o princípio básico das liberdades e direitos consagrados nos documentos internacionais dos direitos humanos e ainda mais na Constituição Política do Estado Plurinacional da Bolívia", nas palavras da sua porta-voz, Tania Nava.

O ministro do Trabalho, Calixto Chipana, discorda de que a utilização do véu no hospital financiado pelo governo iraniano represente um desrespeito a esse princípio.

Em entrevista à BBC, o ministro disse que enviou inspetores ao hospital, e que estes não recolheram queixas de uso forçado do véu. "Se houver qualquer reclamação vamos agir", garantiu.

Para Chipana, as denúncias da imprensa boliviana "mais parecem uma guerra contra a ajuda do Irã".

A BBC tentou falar com os diretores do hospital, mas foi informada de que o diretor do hospital, o iraniano Birjandi Masout Maleki, só conversará com a imprensa na segunda-feira.

Notícias relacionadas