Lobo quer diálogo para superar crises interna e externa de Honduras

O presidente eleito de Honduras, Porfírio 'Pepe' Lobo. Foto AFP
Image caption O presidente eleito quer o reconhecimento da comunidade internacional

O presidente eleito de Honduras, Porfírio “Pepe” Lobo pediu nesta segunda-feira pelo diálogo como forma de resolver os problemas internos e externos de Honduras.

“Entendo que alguns países amigos, por questões de geopolítica, possam ter suas opiniões. Peço que respeitem nossos direitos e queremos que nossas relações com todos sejam normais”, disse.

Lobo afirmou que pedirá a chefes de Estado estrangeiros que “compreendam a realidade hondurenha e parem de punir o país” ao não reconhecer as eleições.

O presidente eleito, que assume dia 27 de janeiro, disse pretender iniciar rapidamente um diálogo também com opositores internos, simpatizantes do presidente deposto, Manuel Zelaya, que já recusaram negociar.

Leia na BBC Brasil: OEA diz estar aberta ao diálogo com vencedor em Honduras

Zelaya e Chávez

Ainda nesta segunda-feira, Lobo afirmou que “Zelaya já é história, parte do passado”.

Ele disse ainda que o líder deposto e o presidente interino, Roberto Micheletti, “assinaram um acordo segundo o qual se submetem à vontade do Congresso. Que o Congresso faça o melhor, levando em conta que o que mais convêm é trazer paz à nação”.

A votação do Congresso sobre a volta ou não de Zelaya está marcada para esta quarta-feira, mas o líder deposto já disse que não aceitaria uma restituição ao cargo.

Lobo criticou também o presidente venezuelano, Hugo Chávez, aliado de Zelaya, dizendo que não aceitará “imposições” de outros países.

“Nem Chávez nem ninguém se atreva a meter seus narizes em Honduras”, afirmou.

A crise política em Honduras teve início em 28 de junho, quando o presidente eleito do país, Manuel Zelaya, foi destituído do cargo pelas Forças Armadas, acusado de violar a Constituição do país, e em seu lugar assumiu um governo interino, liderado pelo antigo presidente do Congresso, Roberto Micheletti.

A deposição foi condenada internacionalmente e, no final de setembro, Zelaya voltou clandestinamente a Honduras abrigando-se na embaixada do Brasil, onde está desde então.

Notícias relacionadas