Meio Ambiente

Família brasileira encarou desafio de reduzir impacto ambiental

Família conseguiu mudar hábitos sem muito sacrifício, diz especialista

Depois de acompanhar por toda a semana os esforços da família brasileira que aceitou o desafio de tentar adotar hábitos mais sustentáveis, especialistas do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente, entidade focada na mudança de comportamento do consumidor, avaliaram o resultado da empreitada.

"Eles conseguiram incorporar novos hábitos sem muito sacrifício", diz a gerente de operações do Instituto Akatu, Heloisa Torres de Mello.

Desde segunda-feira, a jornalista Rose Silva relatou em um diário como ela, o marido, Giorgio Romano Schutte, e os filhos do casal, Isadora, 11, e Angelo, 8, fizeram pequenas modificações em sua rotina com o objetivo de reduzir o impacto ambiental. Antes do início da experiência, a família havia recebido dicas do Akatu sobre o que poderia ser mudado.

Entre os novos hábitos adotados pela família sem muito sacrifício, a gerente do Akatu cita evitar deixar luzes acesas e aparelhos eletrônicos ligados desnecessariamente, diminuir o tempo do banho, evitar tomar banho nos horários de pico de consumo de energia e reduzir o desperdício de alimentos.

"É importante reconhecer os hábitos que podemos mudar com mais facilidade. Se precisarmos fazer grandes sacrifícios, nossa tendência é não conseguir manter as novas atitudes por muito tempo", diz a especialista, ao citar como exemplo o fato de a família ter decidido não diminuir o consumo de carne vermelha - uma das dicas para reduzir o impacto ambiental -, porque isso exigiria um esforço maior.

Reflexão

Em seu diário, Rose escreveu que "a ideia de repensar os hábitos para descobrir como se pode tornar o cotidiano menos agressivo ao meio ambiente foi de fato muito boa e deveria ser incorporada por todos".

"Diminuímos o tempo do banho, o transferimos para horários alternativos, fora do pico, evitamos o desperdício de alimentos ao longo da semana, resolvemos que usaremos plásticos de forma mais consciente e que iremos zelar pela água como um recurso que se torna cada vez mais escasso", relatou Rose.

Segundo a gerente do Akatu, parar, olhar para seus hábitos cotidianos e descobrir o que pode ser modificado é o primeiro passo. Heloisa diz que essa reflexão foi fundamental para que a família adotasse novos comportamentos.

"Logo no primeiro final de semana, eles começaram a planejar a compra de alimentos, para evitar que acabem estragando em casa antes de serem consumidos. Essa é uma das melhores formas de evitar o desperdício", afirma Heloisa.

"No Brasil, calcula-se que as famílias desperdiçam em média entre 20% e 40% de toda comida que compram. Isso significa, além de gasto desnecessário, o desperdício de todos os recursos naturais empregados na produção daqueles alimentos."

A gerente do Akatu afirma que a família de Rose conseguiu reduzir o desperdício de comida, inclusive aproveitando as sobras das refeições. "Isso foi uma ótima descoberta para a família", diz.

Criatividade

"O mais importante dessa experiência foi que eles perceberam que, quando decidimos mudar alguns hábitos, é possível usar a criatividade para descobrir novos caminhos e novas possibilidades", afirma Heloisa.

Segundo a especialista do Akatu, a família percebeu que a partir de seus hábitos cotidianos cada um tem o poder de mudar a sociedade e o mundo em que vive.

"Perceberam, também, um dos princípios do consumo consciente: quando todos fazem diariamente essas pequenas ações, o resultado traz um enorme impacto sobre o meio ambiente e a sociedade."

Fmília adota hábitos mais sustentáveis

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

Uma semana após aceitar o desafio de adotar uma rotina mais sustentável, a jornalista Rose Silva conta como ela, o marido, Giorgio Romano Schutte, e os filhos do casal, Isadora, 11, e Angelo, 8, conseguiram incorporar novos hábitos.

"Vale dizer que em nossa família nunca tivemos a cultura do desperdício de recursos e de energia, nem relegamos ao segundo plano a preocupação com o clima e com o lixo.

Contudo, a ideia de repensar os hábitos para descobrir como se pode tornar o cotidiano menos agressivo ao meio ambiente foi de fato muito boa e deveria ser incorporada por todos.

Em casa, se não tivéssemos parado por poucos minutos nos últimos dias para nos perguntar o que poderia ser melhorado, esse assunto dificilmente seria mencionado na hora do jantar com a devida importância.

Podemos dizer que toda a nossa família valorizou a experiência e está se esforçando para melhorar a prática.

Não seria verdade dizer que nunca mais deixaremos ambientes vazios com luzes acesas e que todos vão se lembrar sempre de desligar os aparelhos eletrônicos quando não estiverem em uso.

Mas o fato é que um de nós, pelo menos, tem ficado atento e tomado a iniciativa de apagar e desligar quando o outro esquece.

Diminuímos o tempo do banho, o transferimos para horários alternativos, fora do pico, evitamos o desperdício de alimentos ao longo da semana, resolvemos que usaremos plásticos de forma mais consciente e que iremos zelar pela água como um recurso que se torna cada vez mais escasso.

Para os nossos filhos, foi interessante transferir essa discussão, sempre presente nos noticiários e nas salas de aula, para dentro de nossa casa e observar os pequenos detalhes que, somados, fazem toda a diferença.

Não seguimos a orientação de comer menos carne vermelha, porque isso exigiria um esforço maior de todos, que ninguém se dispôs a fazer.

As outras dicas recebidas no início da semana foram seguidas e serão adotadas permanentemente daqui por diante, pois todos concluímos que a mudança não doeu nada e foi bem educativa."

Compromisso de reduzir o uso de sacos plásticos

No penúltimo relato sobre as mudanças de comportamento de sua família em busca de hábitos mais sustentáveis, Rose Silva fala do desafio de reduzir o consumo de sacos plásticos.

"Ontem decidimos conversar sobre o uso de plásticos na nossa casa, já que a idéia de prestar atenção nas luzes e aparelhos já parece bastante incorporada ao cotidiano da família.

Angelo observou, antes de dormir, que eu havia esquecido a luz da cozinha acesa e saiu do andar de cima da casa para apagá-la lá em baixo. Isadora também diminuiu definitivamente o tempo do banho, inclusive descobriu que dessa forma sobra mais para outras atividades.

Discutimos durante o jantar a possibilidade real de reduzir o consumo de saquinhos de plástico, tema de grande importância quando se fala de impacto ambiental e que ainda não nos parece ter avançado muito na sociedade brasileira.

As pessoas continuam desperdiçando muito e os estabelecimentos comerciais não fazem economia ao distribuí-los.

No meu trabalho já adotei o hábito de usar um único copo de vidro ao longo do dia para tomar água, em vez de aumentar a pilha dos descartáveis que vão para o lixo. O mesmo vale para a xícara de café.

Lá em casa reaproveitamos os sacos plásticos que trazemos do supermercado para armazenar lixo. Mas é fato que temos sempre um estoque muito maior de saquinhos do que iremos utilizar por várias semanas. Por isso combinamos que passarei a levar minha própria sacola para as pequenas compras do dia-a-dia."

O desafio de apagar as luzes e evitar desperdício

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

No terceiro relato sobre os esforços de sua família para adotar hábitos mais sutentáveis, a jornalista Rose Silva fala do desafio de apagar as luzes da casa e não deixar eletrodomésticos ligados sem necessidade.

"Adquirir o hábito de apagar as luzes continua sendo o principal desafio para as crianças em nossa semana de adaptação aos hábitos sustentáveis.

Para quem já viveu a crise do apagão, como eu, essa tende a ser uma preocupação constante, mas as novas gerações, apesar de terem nascido em fase posterior, nem sempre se lembram de apertar o interruptor cada vez que saem de um ambiente da casa.

Continuamos firmes em nossa tarefa de lembrar um ao outro ou então apagar a luz quando outra pessoa da família esquece de fazê-lo.

Por outro lado, na noite de ontem não tivemos nenhum aparelho ligado desnecessariamente, e o Angelo lembrou-se de desligar o computador antes de dormir, como foi combinado.

Ontem também decidimos comer os pratos prontos que estavam na geladeira em vez de preparar novas refeições na hora do jantar.

Tivemos na mesa três cardápios diferentes e conseguimos acabar com todas as sobras da geladeira. Estavam deliciosas, por sinal. Hoje cedo repus o estoque de frutas frescas e teremos comida nova no jantar."

Primeiros progressos em busca de rotina mais ecológica

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Executar com Real Media Player OU Windows Media Player

No segundo relato sobre o desafio de tentar reduzir sua pegada ecológica, Rose Silva e sua família contam os primeiros avanços e dificuldades. Leia abaixo o "diário ambiental" da família.

"A cruzada para apagar as luzes e desligar os aparelhos eletrônicos mobilizou a família na noite de ontem. Creio que conseguimos progredir, pois como todos sabemos a arte da repetição é sempre a mais eficaz para reeducar.

Também conseguimos mudar o horário do banho da família, que desde ontem não ocorre mais entre 18h e 20h. O tempo debaixo do chuveiro foi outro progresso, a Isa conseguiu até lavar os cabelos em dez minutos cravados.

Hoje vamos ler textos sobre o efeito estufa, que inclusive é tema da prova de ciências de Isadora, ou seja, a prática cotidiana será uma espécie de reforço escolar dentro da concepção Paulo Freire. De quebra temos a esperança de ver o esforço para redução da pegada ecológica refletido no boletim escolar.

Angelo e Isadora se divertem com a situação e gostam da idéia de se verem na web como protagonistas das mudanças de hábitos para preservar a vida no planeta, tema aliás que sensibiliza as crianças há um certo tempo e vem sendo bastante valorizado nos ambientes pelos quais circulam.

Outra iniciativa prevista para hoje à noite é visitar as páginas da internet nas quais a família aparece com destaque. Nossa expectativa é que os colegas também vejam e se inspirem para replicar as dicas."

Primeiro fim de semana sob novas 'regras ecológicas'

A jornalista paulista Rose Silva relata como foi o fim de semana de 28 e 29 de novembro, em que sua família, a convite da BBC Brasil, começou a seguir sugestões de como reduzir o impacto de seu estilo de vida sobre o meio ambiente. Leia abaixo o primeiro relato de Rose no 'diário ambiental' da família.

"O primeiro fim de semana da família depois que decidimos reavaliar os hábitos para torná-los mais sustentáveis teve alguns efeitos práticos interessantes. Estive no sacolão para fazer as compras semanais e diminuí a quantidade de alimentos na cesta, pois observei que as frutas, principalmente, nessa temperatura de verão, ficam boas por menos tempo. A melhor coisa a fazer é prever um tempo para repor o estoque no meio da semana e assim evitar desperdício.

A leitura conjunta das dicas para melhorar nossos hábitos foi muito intressante para as crianças. Identificamos como principais desafios da família prestar mais atenção aos aparelhos que permancecem ligados desnecessariamente por longos períodos, como é caso do computador, muitas vezes junto com a TV e o aparelho de som.

Também assumimos o compromisso de avisar um ao outro quando idenficarmos luzes acesas em ambientes vazios.

O tempo do banho também foi consenso: vamos abreviar ao máximo! Meu filho, inclusive, que não curte muito um chuveiro disse que é capaz de tomar banho em 20 segundos ou menos. Mas creio que não seja uma decisão muito saudável".

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.