Amazônia

Último sobrevivente de tribo é atacado na Amazônia, diz ONG

Casa do 'Homem do Buraco' (foto:@www.survivalinternational.org)

O 'Homem do Buraco' vive no território indígena de Tanaru, em Rondônia

A organização de apoio aos povos indígenas Survival International denunciou nesta quarta-feira que o último sobrevivente de uma tribo isolada na Amazônia tem sido alvo de ataques de homens armados.

Segundo a Survival International, o índio é conhecido como "Homem do Buraco", devido aos buracos que cava para capturar animais e para se esconder, e vive no território indígena de Tanaru, no Estado de Rondônia.

Acredita-se que o "Homem do Buraco" seja o último sobrevivente de um massacre contra sua tribo, ocorrido nas décadas de 70 e 80. O nome da tribo não é conhecido.

De acordo com a organização, ele foi alvo de ataques no mês passado, mas só agora o episódio foi revelado. A ONG diz que, segundo a Funai, o 'Homem do Buraco' sobreviveu ao ataque.

"Não se sabe se o índio estava na linha de fogo ou se os tiros foram disparados para afugentá-lo", diz a ONG.

Saque

"Sua tribo foi massacrada e agora o 'Homem do Buraco' enfrenta o mesmo destino", disse o diretor da Survival International, Stephen Corry.

Ferramentas usadas pelo 'Homem do Buraco' (foto:@www.survivalinternational.org)

ONG diz que índio pertence a tribo massacrada nas décadas de 70 e 80

A organização afirma que funcionários da Funai descobriram que seu posto de proteção havia sido saqueado e encontraram cartuchos de espingarda vazios nas proximidades da floresta.

A polícia investigou o incidente, mas ainda não se sabe quem seriam os agressores.

No entanto, segundo a Survival International, fazendeiros na região se opõem aos esforços do governo para proteger a terra do "Homem do Buraco".

"Os fazendeiros devem deixar este homem viver seus últimos dias em sua terra em paz e as autoridades devem fazer tudo que podem para protegê-lo", disse Corry.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.