Esquenta disputa por topo da parada britânica no Natal

Image caption Música do grupo Rage Against the Machine termina com palavrões

O grupo de rock Rage Against the Machine prossegue liderando a corrida para o topo das paradas britânicas no que está sendo considerada a batalha mais acirrada em uma década para alcançar a posição na semana do Natal, segundo informou nesta quinta-feira a Official Charts Company, empresa que divulga as vendas de músicas no país.

Para protestar contra a hegemonia dos últimos cinco anos dos vencedores do reality show X Factor, um grupo no site de relacionamentos Facebook iniciou uma campanha pedindo para que as pessoas comprassem a música Killing in the Name, canção de 1992 e recheada de palavrões, do Rage Against the Machine.

The Climb, a música do então favorito para chegar ao topo da parada este ano, Joe McElderry, vencedor da competição X Factor no último domingo, começou a ser vendida na quarta-feira.

Palavrões

Mais de 100 mil exemplares de The Climb foram vendidos no primeiro dia.

A música do Rage Against the Machine tinha vendido até a quinta-feira, cerca de 40 mil cópias a mais do que a do vencedor do reality show.

Image caption 'The Climb', de Joe McElderry, venceu o X Factor no domingo

Projeções indicam que, se a média for mantida, é possível que sejam vendidas mais de 500 mil cópias de cada uma das canções.

A última vez que ocorreu uma disputa tão acirrada foi em 1998, quando as Spice Girls venderam 380 mil cópias do single Goodbye contra 375 mil exemplares da música Chocolate Salty Balls, cantada pelo personagem Chef do desenho animado South Park.

A BBC pediu desculpas a seus ouvintes da Radio 5 por ter transmitido uma apresentação ao vivo do Rage Against the Machine em seu programa matinal.

O cantor da banda, Zack de la Rocha, foi ouvido dizendo palavrões quatro vezes ao final da música.

"Havíamos conversado repetidamente com a banda antes da apresentação e eles tinha prometido não falar palavrões. Quando eles o fizeram, diminuímos o som e pedimos desculpas imediatamente", afirmou um porta-voz da BBC.