Ataque suicida mata oito agentes da CIA no Afeganistão

vista aérea da base atacada em Khost, no Afeganistão
Image caption Base atacada em Khost é usada por civis e militares americanos

Oito americanos que trabalhavam para a CIA, a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos, foram mortos em um atentado suicida no leste do Afeganistão.

Outros seis americanos ficaram feridos pela explosão.

Esta foi a maior perda da CIA em mais de 25 anos e o maior atentado contra agentes da inteligência americana no Afeganistão desde a invasão liderada pelos Estados Unidos em 2001.

O militante suicida usava um cinturão explosivo quando entrou em uma base militar na província de Khost, segundo a imprensa americana.

Um porta-voz do Talebã disse que o ataque foi feito por um dos membros do grupo, que trabalhava para o Exército afegão, e que estaria usando seu uniforme ao entrar na base.

A CIA opera as aeronaves usadas para atacar o Talebã e a rede Al-Qaeda na região fronteiriça do país.

Canadá

Em outro ataque no Afeganistão, cinco soldados e uma jornalista canadenses morreram após a explosão de uma bomba em uma estrada em Kandahar.

O incidente foi o pior ataque fatal contra canadenses no país em mais de dois anos.

Segundo o correspondente da BBC em Toronto Lee Carter, o incidente vai preocupar os canadenses, já que um civil está entre os mortos.

A jornalista foi identificada como Michelle Lang, de 34 anos, do jornal Calgary Herald, que estava fazendo uma cobertura no Afeganistão.

Polêmica

No ano que vem, o total de soldados nas forças internacionais no Afeganistão deve subir de 113 mil para 150 mil.

No sábado, uma operação da Otan causou um desentendimento entre o governo afegão e as forças internacionais. O presidente do país, Hamid Karzai, acusa soldados internacionais de terem atirado indiscriminadamente contra dez civis, incluindo oito adolescentes.

A Otan nega as alegações afegãs.

A morte de civis afegãos nas operações da Otan, embora em menor número do que nos ataques do Talebã, costuma gerar grande ressentimento entre a população local.

O Talebã luta desde 2001, quando foi derrubado pela Otan, contra o governo do presidente Karzai e as forças estrangeiras no Afeganistão.

Notícias relacionadas