Vitória republicana para o Senado ameaça projeto de Obama para saúde

Scott Brwon comemora vitória para o Senado americano
Image caption Após vitória, Scott Brwon criticou o projeto de Obama para a saúde

A vitória de um republicano na eleição para uma cadeira no Senado americano pelo Estado de Massachusetts, nesta terça-feira, ameaça a aprovação do projeto do presidente Barack Obama para a reforma do sistema de saúde, o maior objetivo político de seu primeiro ano de mandato.

O republicano Scott Brown derrotou a democrata Martha Coakley na disputa pela cadeira que havia ficado vaga com a morte do democrata Edward Kennedy, em agosto. Kennedy manteve seu posto no Senado por quase meio século.

Com a derrota, Obama perde a “super maioria” de 60 votos que tinha no Senado (de cem cadeiras), o que permitia evitar manobras dos republicanos para obstruir as votações.

Coakley admitiu a derrota no final da noite de terça-feira após as primeiras contagens mostrarem uma vantagem grande para Brown.

Golpe

A inesperada derrota é um golpe para a agenda política dos democratas e coincide com o primeiro aniversário do governo Obama, comemorado nesta quarta-feira.

Em seu discurso para celebrar sua eleição, Brown disse que os eleitores de Massachusetts lhe deram “uma grande vitória”.

“Hoje, a voz independente de Massachusetts falou. Os eleitores desta comunidade desafiaram as previsões e os especialistas”, afirmou.

Brown criticou ainda as propostas de Obama para a reforma da saúde, dizendo que isso implicaria um aumento nos impostos, a perda de empregos e a elevação da dívida pública.

Coakley, em um pronunciamento aos seus simpatizantes após telefonar a Brown para cumprimentá-lo pela vitória, disse ter ficado “de coração partido” com o resultado.

Obama havia participado pessoalmente da campanha dela.

Referendo

Segundo os analistas, a eleição poderia ter sido uma vitória fácil para Coakley, em um Estado que tradicionalmente vota em candidatos democratas para o Senado.

Mas uma campanha sem brilho e marcada por gafes permitiu que seu adversário republicano, com o apoio de ativistas conservadores, tomasse a dianteira.

Para os analistas, a eleição em Massachusetts podia ser vista como um referendo sobre o primeiro ano de governo de Obama, num momento em que as pesquisas indicam que quase metade dos americanos consideram que o presidente não está cumprindo suas principais promessas de campanha.

Coakley disse ter recebido um telefonema de Obama, que disse a ela: “Não podemos vencer todas”.

Segundo o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, o presidente telefonou para Brown para felicitá-lo.

Notícias relacionadas