Ex-premiê da França é inocentado de complô para difamar Sarkozy

Nicolas Sarkozy (à esq.) e Dominique de Villepin (arquivo)
Image caption Sarkozy (esq.) e de Villepin eram adversários na eleição de 2007

O ex-primeiro-ministro da França Dominique de Villepin foi inocentado da acusação de ter conspirado para difamar o presidente Nicolas Sarkozy.

De Villepin foi acusado de tentar manipular uma investigação judicial que poderia ter prejudicado Sarkozy nas eleições presidenciais de 2007.

Naquela ocasião os dois disputavam a pré-candidatura dentro seu partido à Presidência francesa, pois Jacques Chirac deixaria o cargo.

O juiz do caso afirmou que não há provas de que De Villepin tenha agido de má fé. Vários outros envolvidos no caso foram considerados culpados de várias acusações.

De acordo com a correspondente da BBC em Paris, Emma Jane Kirby, agora o ex-premiê deverá relançar sua carreira política e se transformar no adversário de Sarkozy nas próximas eleições presidenciais da França, em 2012.

Lista falsa

O caso que levou De Villepin aos tribunais remonta a 2004, quando o nome de Sarkozy apareceu em uma lista falsa com os nomes de importantes políticos e empresários que estariam ligados a uma conta bancária ilegal em Luxemburgo.

A acusação era de que as pessoas que apareciam na lista falsa teriam recebido propina na venda internacional de armas.

Esta lista foi enviada a várias pessoas, incluindo De Villepin, que foi acusado de não acabar com a conspiração.

Outros três acusados foram condenados no julgamento nesta quinta-feira em Paris, incluindo o ex-vice-presidente do grupo aeroespacial EADS, Jean-Louis Gergorin, que admitiu ter vazado a lista falsa para investigadores, e Imad Lahoud, um especialista em computação que confessou ter acrescentado o nome de Sarkozy à lista.

Eles foram sentenciados, respectivamente, a três anos de prisão, com 21 meses de liberdade condicional, e três anos de prisão com 18 meses de liberdade condicional.

Um quinto acusado foi inocentado.