Obesidade mórbida pode ter raiz genética, dizem especialistas

Raio X de perna de pessoa morbidamente obesa
Image caption Obesidade mórbida pode não ser causada apenas pelo estilo de vida

Pesquisadores britânicos afirmaram que um pequeno número de pessoas extremamente obesas pode ter alguns genes ausentes no seu material genético.

Os pesquisadores descobriram que dezenas de pessoas - todas extremamente obesas - não tinham um grupo com cerca de 30 genes, algo que não ocorre em pessoas com peso normal.

As conclusões do estudo do Imperial College de Londres, publicadas na revista científica Nature, podem ajudar a esclarecer se, em alguns casos, a obesidade poderia ser herdada dos pais.

Apesar de a epidemia de obesidade no mundo ocidental ser frequentemente atribuída a dietas excessivamente calóricas e vida sedentária, alguns estudos trazem provas de que os genes podem ter um papel na obesidade de algumas pessoas.

No caso deste novo trabalho, os pesquisadores estudaram especificamente casos de obesidade mórbida, ou seja, pessoas com Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 40.

Calculado a partir de uma fórmula que relaciona o peso e a altura da pessoa, o IMC é usado por especialistas como um indicador da saúde do paciente.

Dificuldades de aprendizado

Os especialistas do Imperial College começaram a suspeitar de que haveria uma raiz genética associada à obesidade quando estudaram um grupo de adolescentes e adultos com dificuldades de aprendizado.

Essas pessoas têm maior probabilidade de ficar obesas, embora não se saiba ao certo a razão.

Eles encontraram um grupo com 31 pessoas que tinham ausências praticamente idênticas dos mesmos genes. Todas tinham um IMC acima de 30, ou seja, eram obesas.

Depois, analisando o código genético de um grupo com mais de 16 mil pessoas, obesas e não obesas, os cientistas encontraram outras 19 pessoas com ausência dos mesmos genes.

Todas foram classificadas como morbidamente obesas, com IMC acima de 40.

Nenhuma das pessoas com peso normal estudadas apresentou ausência dos genes.

Os especialistas não sabem ao certo qual seria a função dos genes ausentes, ou qual seria a relação entre problemas de aprendizado e obesidade.

Cirurgia

"Está ficando cada vez mais claro que, em algumas pessoas com obesidade mórbida, o ganho de peso tem causa genética", afirmou o pesquisador Philippe Froguel, do Imperial College.

"Se pudermos identificar esses indivíduos a partir de testes genéticos, poderemos oferecer a eles o apoio apropriado e intervenções médicas como a cirurgia para perda de peso para melhorar sua saúde no longo prazo".

Um outro especialista envolvido no estudo, Robin Walters, disse que embora a ausência desse grupo específico de genes seja rara - ela afeta em torno de sete em cada mil pessoas com obesidade mórbida - há grande probabilidade de que outras variações genéticas sejam encontradas.

"O efeito combinado de várias alterações desse tipo pode vir a explicar os riscos genéticos da obesidade extrema, que tende a se propagar em famílias".

A médica Sadaf Farooqi, da Universidade de Cambridge, na Grã-Bretanha, colaborou com os pesquisadores do Imperial College neste estudo.

Ela também participou de uma pesquisa semelhante, publicada em dezembro, que identificou uma outra falha genética que pode estar associada à obesidade.

Farooqi disse que é provável que um conjunto de variações genéticas diferentes se revelem no futuro para explicar mais casos de obesidade - talvez por afetar o apetite ou o índice de queima de gordura pelo organismo.

"A mensagem para o setor de saúde pública sobre a importância da dieta e dos exercícios ainda é relevante, mas colocar a culpa pela obesidade na pessoa deixou de ser apropriado".

Notícias relacionadas

Links de internet relacionados

A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos de internet