Partido Trabalhista britânico suspende deputados por escândalo

Elliot Morley, David Chaytor, Jim Devine e Paul White
Image caption Elliot Morley, David Chaytor, Jim Devine e Paul White enfretam acusações

O Partido Trabalhista da Grã-Bretanha suspendeu, nesta segunda-feira, três de seus parlamentares acusados de crime de desvio de dinheiro público.

O partido afirmou que vinha considerando a situação de Elliot Morley, David Chaytor e Devine desde que eles foram indiciados, na sexta-feira, e disse ter tomado a decisão de suspendê-los "devido às sérias acusações feitas" contra eles.

Leia mais: Parlamentares britânicos são indiciados por escândalo de despesas

Além dos trabalhistas, o parlamentar conservador Paul White também foi indiciado e havia sido suspenso do Partido de oposição na semana passada. Todos negam as acusações.

Os advogados dos parlamentares podem agora pedir a aplicação de uma lei que protege membros do Parlamento britânico de serem processados pelo que dizem na Câmara.

Políticos de vários partidos criticaram a possível invocação da lei. Em resposta, os três parlamentares trabalhistas divulgaram um comunicado no qual afirmam que "não buscam imunidade ou evitar a culpabilidade, apenas determinar o local ideal para discutir nossa situação".

Eleições

Um porta-voz do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, do Partido Trabalhista, disse que o premiê não acredita que nenhum parlamentar pode estar acima da lei.

"As leis criminais obviamente são aplicadas a parlamentares da mesma forma que a qualquer um. O privilégio parlamentar não tem a intenção de permitir algo diferente", afirmou o premiê através do porta-voz nesta segunda-feira.

Os três parlamentares, que já haviam sido impedidos de concorrer à reeleição pelo Partido Trabalhista, devem permanecer participando de sessões na Câmara Baixa do Parlamento do país, mas sem integrar o bloco do partido.

O líder do partido Conservador, David Cameron, disse que a suspensão dos três seria uma "mudança humilhante" para o premiê trabalhista Gordon Brown.

Analistas dizem que Cameron pode estar buscando explorar o sentimento de indignação da população britânica com o caso, após pesquisas de intenção de voto divulgadas na semana passada terem mostrado que a vantagem dos conservadores sobre os trabalhistas diminuiu para menos de 10%.

A possibilidade de um Parlamento britânico sem uma maioria clara também preocupa os mercados financeiros, após o déficit público do país ter alcançado o recorde de £178 bilhões no ano passado.

As eleições parlamentares britânicas devem ser marcadas para meados deste ano.