Austrália vai rever sistema de alerta de tsunamis

Praia na Austrália
Image caption Banhistas não queriam sair da água apesar dos alertas

O governo da Austrália decidiu rever o sistema de alerta de tsunamis no país depois que banhistas ignoraram o aviso emitido após o terremoto do Chile, no dia 26 de fevereiro.

Salva-vidas tiveram dificuldades para retirar as pessoas das praias nos Estados de Queensland e New South Wales, nordeste do país, quando as pessoas ou retornavam para a água, ou vinham ver a chegada do tsunami.

O procurador-geral Robert McClelland disse que, no futuro, a polícia e serviços de emergência poderão ser usados para manter as pessoas fora das praias.

Países do Pacífico entraram em alerta de tsunami depois do terremoto do Chile, mas a maior parte deles não foi afetada.

As ondas que atingiram a costa australiana praticamente não foram notadas e McClelland descreveu a resposta ao alerta como “decepcionante, mas compreensível”.

“As pessoas viram que o terremoto foi literalmente a milhares de quilômetros de distância e não perceberam perigo”, disse o procurador.

“Serviços de emergência emitiram um alerta público. Eles (as pessoas) deveriam obedecê-lo porque eles não são feitos à toa.”

McClelland disse que pediu aos responsáveis por emergências nos Estados e a organizações de salva-vidas de surfistas em New South Wales e Queensland para avaliar a reação e procurar meios de educar o público sobre tsunamis.

Apesar de o tsunami ser praticamente imperceptível quando atingiu a costa leste australiana, as autoridades haviam advertido para o risco de que as fortes correntes marítimas poderiam tornar perigosas as práticas de natação e surfe.