Família naufraga e fica presa em ilha remota do Pacífico

Família Barrie (Foto: Suzzane Laidlaw)
Image caption Família Barrie antes da partida, em Perth (Foto: Suzzane Laidlaw)

Uma família australiana está presa em uma ilha remota do Oceano Pacífico depois de seu barco ter sido praticamente destruído em uma tempestade tropical.

Andrew Barrie, de Perth, sua esposa Jennie e as filhas Diana e Shannon, de 12 e 10 anos encalharam em um recife no fim de semana em Mogmog, onde deverão permanecer pelos próximos seis meses, se alimentando à base de tartarugas e caranguejos.

Mogmog é uma pequena ilha, de 800 metros de extensão e 300 metros de largura, no extremo oeste da Micronésia, a mais de 2 mil quilômetros da capital do país, Palikir.

A família, que deixou a Austrália em junho de 2009 para uma excursão de dois anos pelo Pacífico, foi pega de surpresa pelos fortes ventos da tempestade, que empurraram seu catamarã contra um recife.

A família teve que abandonar seu barco e conseguiu chegar a ilha com ajuda de pescadores locais.

Reparos

Em entrevista à BBC Brasil, Suzzane Laidlaw, tia de Andrew, disse que o sobrinho ainda não decidiu o que fazer. "Primeiro eles estão verificando se é realmente possível consertar o barco ou não", explicou ela.

Para recuperar o barco, Andrew espera conseguir peças trazidas das Filipinas ou Guam.

De acordo com Suzzane, para efetuar o conserto da embarcação, a família teria que permanecer por meio ano na ilha.

Andrew, ex-piloto, explicou em entrevista via satélite à rádio australiana ABC, que ondas gigantes invadiram o barco e que eles acabaram perdendo ambas as âncoras.

Segundo informações da família à ABC, a vida em Mogmog é extremamente básica. Não há eletricidade e água potável, medicamentos e comidas enlatadas são trazidos ao local por navios que por ali passam.

Sendo assim, a alimentação da família tem se resumido a tartarugas, caranguejos, peixes e frango selvagem cozidos à moda local, alimentos tradicionais dos moradores da Micronésia.

A mudança na dieta provocou problemas de saúde como disenteria.

Andrew e sua família dormem ao ar livre ou em barracas, onde estão vulneráveis a mosquitos e ratos.

A família está viajando desde junho de 2009 e esperava retornar em fevereiro de 2011 a Perth. As meninas estudam com a mãe, que é professora primária.

Notícias relacionadas