Líder anglicano recua após comentar abusos de padres católicos na Irlanda

Rowan Williams
Image caption Arcebispo da Cantuária recuou após criticar Igreja Católica da Irlanda

O líder da Igreja Anglicana, o arcebispo da Cantuária Rowan Williams, disse neste sábado que lamenta ter feito comentários negativos sobre a Igreja Católica na Irlanda.

Williams havia dito, em entrevista à BBC, que a Igreja Católica no país perdeu toda a sua credibilidade por ter lidado mal com os casos de crianças abusadas sexualmente por padres.

Na entrevista no rádio, Williams havia dito: "Eu estava conversando com um amigo irlandês recentemente e ele disse que é muito difícil em algumas partes da Irlanda sair na rua usando roupas de padres agora".

"Uma instituição tão enraizada na vida da sociedade de repente perdendo toda a credibilidade – isso não é um problema apenas para a Igreja, é um problema para todos na Irlanda."

Papa Bento 16

As declarações de Williams foram criticadas por líderes católicos e anglicanos. O arcebispo católico de Dublin, Diarmuid Martin, se disse "chocado" com as críticas de Williams.

"Os comentários de Williams serão profundamente dolorosos para eles [as vítimas dos abusos sexuais] e vão desafiar ainda mais a fé deles", disse Martin.

Williams telefonou para Martin para dizer que não tinha intenção de ofender a Igreja Católica irlandesa com seus comentários.

No mês passado, o para Bento 16 pediu desculpas a todas as pessoas que foram vítimas de abuso sexual por padres católicos na Irlanda. Na ocasião, ele também criticou bispos irlandeses por "erros graves de julgamento" ao lidarem com o problema.

No Vaticano, a Igreja Católica também se envolveu em outra polêmica com declarações controversas.

Na sexta-feira, o pregador-chefe da Casa Pontifícia, Raniero Cantalamessa, disse em um sermão na presença do papa, que a Igreja Católica e o Sumo Pontífice são vítimas de um "ataque violento que faz recordar o antissemitismo" devido às alegações de abusos sexuais cometidos por sacerdotes.

Neste sábado, grupos judaicos e vítimas de abusos sexuais por padres católicos condenaram as declarações de Cantalamessa.

Leia mais: Grupos judaicos criticam sermão de pregador do papa

Notícias relacionadas