EUA atrasam relatório que critica política monetária da China

Timothy Geithner
Image caption Timothy Geithner tem esperanças de mudar a política da China sobre o yuan

O Tesouro dos Estados Unidos está atrasando em vários meses a divulgação de um relatório que investiga se a China está manipulando a sua moeda.

O secretário do Tesouro, Timothy Geithner, disse que atrasará o relatório, que estava previsto para ser divulgado no dia 15 de abril, até que ocorra uma série de encontros internacionais entre autoridades.

A decisão pode servir para melhorar as relações entre Estados Unidos e China, mas pode expor o governo a críticas de legisladores americanos, que culpa o baixo valor da moeda chinesa pelos problemas enfrentados pela economia dos Estados Unidos.

O governo americano não tem escondido sua opinião de que a China está mantendo o yuan em um nível muito baixo e artificial.

Mas se a crítica for colocada em um relatório, isso poderia forçar o governo americano a ter que considerar sanções contra produtos chineses, o que pode prejudicar as relações entre os países.

Geithner disse que adiará a divulgação do relatório para aproveitar alguns encontros internacionais – como a reunião de cúpula do G20 e um encontro de cúpula Estados Unidos-China – para tentar convencer os chineses a mudarem sua política em relação ao yuan.

Acusar a China formalmente de manipular a sua moeda, neste momento, causaria problemas ao governo americano.

O presidente chinês, Hu Jintao, será recebido em Washington no final do mês, para um encontro sobre tecnologia nuclear. Os Estados Unidos devem pressionar a China para adotar sanções contra o Irã, devido ao programa nuclear do país.

Internamente, o governo americano sofre pressão de seus parlamentares para forçar a China a mudar de postura em relação ao yuan.

Notícias relacionadas

Links de internet relacionados

A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos de internet