Microfone flagra Gordon Brown chamando eleitora de 'preconceituosa'

Gillian Duffy (esq.) conversa com Gordon Brown
Image caption Brown descreveu a viúva aposentada como uma 'mulher preconceituosa'

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, foi flagrado chamando uma eleitora, com quem ele tinha acabado de conversar, de "mulher preconceituosa".

Brown estava em campanha para as eleições de 6 de maio conversando com eleitores nas ruas de Rochdale quando foi interpelado por Gillian Duffy, de 65 anos, sobre temas como imigração, criminalidade e economia.

No final da conversa com Duffy, Brown cumprimentou a eleitora e mandou lembranças à sua família.

O encontro estava sendo gravada pelo canal de TV Sky News, e o microfone da emissora que o premiê levava na lapela acabou gravando a conversa de Brown em seguida no carro, com um assessor.

"Aquilo foi um desastre, eles nunca deveriam ter me colocado com aquela mulher. De quem foi esta ideia? Foi ridículo...", diz o premiê na gravação.

Quando o assistente pergunta o que a eleitora tinha falado, Brown respondeu: "ela era só um tipo de mulher intolerante que disse que costumava (votar para) os Trabalhistas. Quer dizer, foi ridículo".

Brown usou o termo inglês "bigot", adjetivo que pode significar intolerante ou preconceituoso, conforme o contexto em que é usado.

Desculpas

Mais tarde, o premiê foi pedir desculpas pessoalmente à eleitora, na casa dela. Brown conversou com ela por 45 minutos a portas fechadas.

Antes, o premiê tinha ouvido a gravação em uma entrevista à BBC e pedido desculpas pelo seu comportamento.

"Claro que peço desculpas se falei algo que tenha sido ofensivo", afirmou o primeiro-ministro britânico na entrevista.

"Eu me culpo pelo que foi feito... Estas coisas podem acontecer", acrescentou Brown.

'Desastre'

O comentário de Brown gerou reação entre os conservadores, principais adversários políticos de Brown.

"É isto que acontece em (época de) eleições gerais, elas revelam a verdade sobre as pessoas", disse o porta-voz da oposição para assuntos de economia, George Osborne.

Para o editor de política da BBC Nick Robinson, o incidente foi um "desastre" para Brown porque expôs a lacuna entre a face pública e a face privada do premiê.

"Para os que conhecem Brown há vários anos, o caso não foi nenhuma grande surpresa. Ele (Brown) tem melhorado bastante no jeito como se comporta em público, mas constantemente perde as estribeiras e expressa suas frustrações na esfera privada", disse Robinson.