Candidatos britânicos discutem imigração e economia em 3º debate

Da esquerda para a direita: David Cameron, Nick Clegg e Gordon Brown
Image caption Este foi o terceiro e último debate antes das eleições de 6 de maio

A economia e as políticas imigratórias dominaram nesta quinta-feira o terceiro e último debate televisionado entre os candidatos ao posto de premiê britânico antes das eleições de 6 de maio.

O atual premiê, Gordon Brown, fez uma referência irônica à gafe que cometeu no dia anterior.

Leia mais: Microfone flagra Gordon Brown chamando eleitora de 'preconceituosa'

"Esse emprego é bastante exigente e, como vocês viram ontem, nem sempre eu acerto", disse ele.

"Mas eu sei como conduzir a economia em época de vacas gordas ou magras. Quando os bancos entraram em colapso, adotei medidas imediatamente para impedir que a crise se torne uma calamidade e a recessão, uma depressão", completou.

Mas o líder dos conservadores, David Cameron, criticou o desempenho de Brown em questões econômicas.

"A razão pela qual debatemos sobre quanto será difícil cortar impostos e gastos é porque o premiê e este governo bagunçaram nossa economia, que este ano terá um déficit orçamentário maior que o da Grécia", disse ele .

O liberal democrata Nick Clegg disse que endurecerá a relação com os bancos.

"Precisamos ser francos sobre os cortes necessários. Precisamos reformular o setor bancário para que banqueiros irresponsáveis nunca mais coloquem nossos negócios ou economias em risco", afirmou.

Brown pediu para que os eleitores não coloquem em risco a recuperação econômica ao votar por mudanças.

Cameron disse que Brown estava tentando "amedrontar" os eleitores e Clegg disse que os britânicos deveriam “escolher o futuro que eles realmente querem”.

Imigração

Brown e Cameron atacaram a atual política imigratória liberal democrata, classificando-a de "anistia" para os estrangeiros em situação ilegal no país.

Cameron disse que os conservadores seriam o único partido capaz de controlar o fluxo migratório para o país, mas Brown disse que sua proposta de um teto para o número de imgrantes que entram a Grã-Bretanha seria "desonesta", já que não inclui integrantes da União Europeia.

O apoio para os liberais democratas subiu drasticamente desde o início da campanha e o partido, tradicionalmente a terceira força do país, aparece em segundo lugar com 30% das intenções de voto segundo pesquisas.

Estas pesquisas sugerem que o conservador Cameron lidera com 33% das intenções e Brown está em terceiro lugar com 28%.

Analistas dizem que é possível que, pela primeira vez desde 1974, nenhum partido britânico obtenha a maioria no Parlamento e tenha que fazer coligações para governar.