Lula promete fazer com Uruguai 'em 8 meses o que não fez em 8 anos'

Mujica e Lula em Montevidéu (04/05). Foto: Matilde Campodonico/AP
Image caption Mujica e Lula discutiram uma comissão bilateral de integração

Em visita rápida ao Uruguai nesta terça-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu fazer com o vizinho, “nos oito meses que lhe restam” de mandato, “o que não fez em oito anos”.

"Eu só tenho oito meses de mandato e nesses oito meses eu vou ter que fazer o que não foi feito em oito anos", disse Lula ao líder uruguaio, José Mujica, após um encontro em uma sede da Presidência, em Montevidéu.

A consolidação de uma comissão bilateral de planejamento e integração esteve no centro da visita do presidente brasileiro ao país, que chegou a Montevidéu com Mujica, no mesmo avião, vindos da reunião de cúpula da Unasul (União das Nações Sul-Americanas), realizada nos arredores de Buenos Aires.

A visita ao Uruguai –a terceira de Lula em menos de cinco meses e que antecede um longo périplo internacional do presidente (que parte para Rússia, Catar, Irã, Espanha e Portugal) entre 13 e 19 de maio— foi feita a convite de seu homólogo uruguaio e é uma retribuição do brasileiro à passagem de Mujica por Brasília em 29 de março.

Mercosul

Em declaração à imprensa ao final da reunião que manteve com Mujica, Lula disse que o Brasil “tem a obrigação de se transformar no grande receptor de produtos” do Mercosul, já que o país é a “maior economia da América do Sul”

O presidente afirmou ainda que propôs a Mujica um próximo encontro, em três meses, para avançar em projetos de integração com o país vizinho.

Entre esses projetos estaria o desenvolvimento de uma linha de transmissão energética, a participação da Petrobras na realização de estudos sobre a existência de petróleo em território uruguaio e a construção de um porto de águas profundas no departamento (Estado) de Rocha, próximo da fronteira entre os dois países. Também faz parte dessa aproximação a previsão da abertura de um escritório do BNDES e de uma agência do Banco do Brasil na capital uruguaia.

Por sua parte, o presidente uruguaio afirmou que seu “pequeno país” tem “a decisão política de viajar no estribo do Brasil” - ou seja, "na carona" do grande vizinho do norte.

Além do encontro entre os presidentes, foi realizada em Montevidéu nesta terça-feira uma série de discussões entre empresários e autoridades do setor público voltadas ao desenvolvimento bilateral de projetos de infra-estrutura e desenvolvimento.

O Brasil é o principal parceiro comercial do Uruguai. No ano passado, segundo dados oficiais, o país exportou US$ 1,36 bilhão (cerca de R$ 24,4 bi) e importou US$ 1,24 bilhão (R$ 2,2 bi) do vizinho.

Notícias relacionadas