Portugal espera 200 mil em primeira missa de visita do papa

Papa Bento 16 celebra missa em Malta em abril de 2010
Image caption Visita de Bento 16 promete ser marcada por eventos de massa

O papa Bento 16 inicia nesta terça-feira uma visita de quatro dias a Portugal com uma missa em Lisboa na qual são esperadas 200 mil pessoas.

A expectativa é de que multidões acompanhem a visita do pontífice, que vai até sexta-feira, no país em que mais de 90% da população são católicos.

Além da missa em Lisboa, estão sendo esperadas 300 mil pessoas para uma celebração em Fátima no dia dedicado à Nossa Senhora – 13 de Maio, quinta-feira.

Na sexta, a celebração será no centro do Porto, onde o número não deverá ser inferior a 150 mil pessoas.

A viagem papal tem como pano de fundo uma série de decisões tomadas nos últimos anos pelo governo português em contrariedade à doutrina católica.

Há dois anos, Portugal aprovou uma legislação para facilitar o divórcio.

Em 2007, um referendo descriminalizou o aborto até dez semanas de gravidez.

Neste momento, uma lei que permite o casamento homossexual necessita apenas a assinatura do Presidente da República para entrar em vigor.

Estandartes

Referências à viagem do papa estão presentes em todos os lados da capital portuguesa. Em todos os postes da Avenida da Liberdade estão estandartes de boas vindas.

O caminho que o pontífice percorrerá está pontuado de outdoors com a imagem dele acenando e sorrindo. Os jornais estão distribuindo decorações tendo como motivo o símbolo da viagem papal para serem exibidas pelos fiéis em suas janelas.

O governo decretou ponto facultativo para os funcionários públicos de Lisboa nesta terça-feira, uma medida que foi criticada por economistas que a consideram uma mensagem errada e contraproducente na atual situação de crise, com o país sob um ataque especulativo.

No entanto, o giro papal é considerado um impulso para o país sair da crise. Estima-se que sejam vendidas um milhão de camisetas oficiais da visita, além de medalhas, souvenirs e outros objetos. A previsão é que no total serão injetados 10 milhões de euros na economia.

<b>Tête-à-tête</b>

Nem todos concordam com os eventos de larga escala que devem marcar a visita de Bento 16 por Portugal.

Para o padre Vítor Melícias, o papa se relaciona melhor com os fiéis em eventos de pequena escala do que em grandes aglomerações.

"Elas não favorecem o conteúdo da comunicação, não permitem a especificidade da mensagem", afirma.

Em vez delas, o padre indica como positivos os encontros que Bento 16 vai ter com grupos específicos durante os próximos dias.

Haverá um encontro com pessoas da área da cultura – com a presença do diretor de cinema Manoel de Oliveira –, outro com organizações da Pastoral Social e outro com os bispos de Portugal.

"Ele vai falar para grupos humanos com interesses específicos. Isso dá a possibilidade de um discurso direto para cada um desses públicos, em função dos interesses específicos deles, o que não aconteceria se fosse apenas um discurso generalista", argumenta Melícias.

O papa também se encontrará com líderes de outras comunidades religiosas em Portugal – judeus, muçulmanos, protestantes e ortodoxos.

Notícias relacionadas