Bola nova da Copa é 'horrorosa', diz goleiro Julio César

O goleiro titular da seleção brasileira disse nesta sexta-feira que a bola nova que será usada na Copa do Mundo da África do Sul é "horrorosa".

A seleção já treinou com a bola nova em Curitiba, esta semana, e voltou a usá-la no coletivo realizado nesta sexta-feira em Johanesburgo.

"É horrível, é horrorosa", disse Julio César. "Parece aquelas bolas que a gente compra em supermercado. É horrorosa."

A bola - batizada pela Fifa de Jabulani (ou "celebração", no idioma zulu) - é feita de material sintético e não tem costura entre cada um dos 11 gomos, o que faz com que ela seja mais rápida.

Outros goleiros também têm criticado a Jabulani. Um artigo publicado no site do jornal inglês The Guardian, o espanhol Victor Váldez, titular do Barcelona e primeiro reserva da seleção da Espanha, disse que a bola da Copa é imprevisível, pois não descreve uma trajetória regular. O segundo goleiro da seleção dos Estados Unidos, Marcus Hahnemann, foi além. Ele disse que a bola da Copa é a pior bola com que já jogou.

Para Julio César, a Jabulani é "oval". Ele disse que em geral as mudanças nas regras e equipamentos de futebol sempre pioram a vida dos goleiros.

"O futebol é gol e todo mundo quer gol. Então a bola muda", disse ele. "É sempre para prejudicar o goleiro, é impressionante. Mas ninguém mandou a gente escolher essa profissão."

Fim da parada

O goleiro, no entanto, elogiou o fim da "paradona" nas batidas de pênalti. A prática dos cobradores de parar antes da corrida para bater o pênalti estará proibida no futebol a partir de terça-feira.

"Eu passei por essa situação em uma cobrança de pênalti, mas é algo que deve deixar você bem 'P' da vida", disse o goleiro.

Julio César realizou nesta sexta-feira o primeiro treino com bola com a seleção desde a convocação. O jogador integrou-se ao grupo em Curitiba mas não chegou a treinar no Brasil.

O jogador foi importante nas conquistas da Inter de Milão. Neste mês, a equipe ganhou o Campeonato Italiano, a Copa da Itália e a Liga dos Campeões da Europa.

Julio César disse que não é seu objetivo ser o melhor goleiro ou jogador do mundo, e que gostaria de ver esse título sendo dado a Maicon ou Lúcio, seus companheiros de Inter e seleção.

Doni

Julio César elogiou os goleiros reservas do Brasil - Gomes e Doni, que é reserva do brasileiro Júlio Sérgio na sua equipe, a Roma.

O titular do gol brasileiro disse que a entrada eventual dos reservas no seu lugar "não vai fazer diferença nenhuma", já que todos "estão no mesmo nível".

Doni disse que não queria falar sobre o fato de estar na seleção brasileira e ser reserva na Roma.

No anúncio da convocação, no começo do mês, Dunga havia sugerido que o goleiro teria perdido sua posição de titular na Roma porque contrariou um pedido da equipe de não jogar um amistoso pela seleção.

"Prefiro não tocar nesse assunto. Eu tive problemas lá", disse nesta sexta-feira.

Taffarel

Doni e os demais goleiros receberam nesta sexta-feira o apoio do tetracampeão Taffarel, que participou do treino dos três, ao lado do preparador Wendell Ramalho.

"Eu acho que estamos diante dos três melhores goleiros brasileiros", disse Taffarel sobre Julio César, Doni e Gomes. "Todos eles tiveram oportunidade de provar isso."

Taffarel lembrou que, em 1993, um ano antes da conquista do tetracampeonato nos Estados Unidos, ele próprio ficou bastante tempo na reserva do Parma. Na época, o Campeonato Italiano tinha um limite de jogadores estrangeiros, e o Parma preferia escalar o atacante colombiano Asprilla.

No ano seguinte, Taffarel foi um dos protagonistas da conquista do tetracampeonato. Doni disse que não sabia disso e afirmou: "Se deu certo para o Taffarel, talvez possa dar certo para mim."

Taffarel foi chamado por Dunga para servir de "olheiro" de adversários do Brasil na Copa, mas como só as seleções de Brasil e Austrália chegaram à África do Sul, o ex-jogador foi convidado para ajudar na preparação dos goleiros.

Notícias relacionadas