Francês é condenado por esfaquear adversário que o matou em jogo online

Um jovem francês foi condenado a uma pena de dois anos e um mês de prisão por ter tentado matar um adversário que havia esfaqueado seu personagem em um jogo na internet.

Julien Barreux, 20 anos, também deverá, por determinação da Justiça, receber tratamento psiquiátrico durante dois anos, afirmou à BBC Brasil a assessoria do Tribunal de Grande Instância de Cambrai, no norte da França, onde o caso foi julgado.

O jovem disse à polícia durante o interrogatório que seu objetivo era que seu rival “caísse duro no chão por ter matado seu personagem” em uma luta com facas em um jogo na internet.

Em novembro do ano passado, o personagem de Barreux no jogo online de guerra Counter-Strike (“Contra-ataque”, em inglês) foi morto virtualmente a facadas por um jogador denominado “Mickaël”.

Barreux decidiu contra-atacar no mundo real e passou seis meses tentando localizar o adversário que o havia eliminado da partida.

Facada

Em meados de maio, o jovem, cujo personagem se chamava “Snake” (cobra) no jogo, conseguiu encontrar o endereço de seu assassino virtual e o esfaqueou no pescoço logo após o rival ter aberto a porta da sua casa.

A facada passou a poucos milímetros de uma das artérias carótidas de Mickaël, que conseguiu sobreviver graças ao erro do adversário, desta vez no mundo real.

Barreux foi preso rapidamente e não demonstrou nenhum arrependimento pelo seu ato, afirma o jornal L’Observateur du Cambrésis, do norte da França.

A premeditação do jovem e seu sangue-frio para esfaquear o rival na internet foram levados em conta na condenação. A sentença também obriga Barreux a realizar testes psicológicos para saber controlar a raiva e o proíbe de entrar em contato com o adversário.

“Você é uma ameaça pública. Tenho medo da reação desproporcional que você terá na próxima vez que uma pessoa tiver a infelicidade de te olhar”, declarou na audiência do julgamento Alexiane Potel, advogada da vítima, segundo o jornal L’Observateur du Cambrésis.

O caso teve repercussão em sites na França, principalmente ligados a jogos online. Eles ressaltaram o fato de que o internauta violento é, desta vez, francês e não americano.