Petroleira corta oleoduto para conter vazamento no Golfo do México

Imagem de vídeo submarino da BP
Image caption A operação foi realizada por robôs a cerca de 1,5 km de profundidade

A petroleira British Petroleum (BP) anunciou nesta quinta-feira que cortou o oleoduto danificado da plataforma que explodiu em abril no Golfo do México e despejou milhões de litros de petróleo na região.

A medida era considerada pelo governo americano um passo fundamental para conter o vazamento no Golfo do México.

O oficial americano que monitora as operações no local, Thad Allen, afirmou que uma espécie de funil para desviar o petróleo do vazamento seria instalada no oleoduto ainda nesta quinta-feira. A BP espera canalizar o petróleo que vaza para um navio na superfície.

De acordo com Allen, a BP usou ferramentas semelhantes a tesouras gigantes, operadas por robôs submarinos, para cortar o oleoduto a cerca de 1,5 mil metros de profundidade.

Custos

A empresa também anunciou que pagará os custos da construção de uma barreira de areia para impedir que a mancha de petróleo chegue a áreas pantanosas do Estado da Louisiana.

Especialistas avaliam que o ecossistema da região é frágil e, caso a área seja atingida pelo vazamento, seria muito difícil despoluir o local.

Na quarta-feira, a mancha de petróleo já podia ser vista a apenas cerca de 15 km da região. O governador do Estado, Bobby Jindal, tem acusado o governo federal de demorar para responder à crise ambiental desencadeada pelo vazamento.

O presidente da BP, Tony Hayward, reconheceu que as críticas de que a empresa estava despreparada para lidar com o vazamento subterrâneo são justas.

Dois senadores democratas pediram que a petroleira suspenda o pagamento de lucros avaliados em US$ 10 bilhões a seus acionistas, até que os custos de limpeza e indenização da região atingida sejam pagos.

A BP calcula que já gastou US$ 990 milhões em operações de limpeza. A construção da barreira de areia deve aumentar os custos da empresa para US$ 1,4 bilhão.

Notícias relacionadas