Jovem sem formação derrota empreiteira na Justiça e ganha bolsa pra estudar Direito

Georgina Blackwell (foto cedida pela família/ BPP Law School)
Image caption Georgina achava ter perdido a 'única' chance de estudar Direito

Uma jovem britânica recebeu uma bolsa de estudos para cursar a sonhada faculdade de Direito após derrotar uma empreiteira na Justiça sem a representação de um advogado.

Georgina Blackwell, de 23 anos, disse que já havia desistido de cursar Direito para trabalhar no salão de beleza da família.

Em um caso que foi chamado de "uma luta entre Davi e Golias" quando ocorreu, em 2009, Georgina representou a mãe, Sandra, no processo que evitou a ruína da família.

Sandra havia negado o acesso da empreteira Bellway, uma das maiores do país, ao jardim de sua casa, em Essex, a nordeste de Londres.

A empresa havia comprado uma fábrica antiga que pretendia demolir para construir um condomínio. Uma das paredes nos fundos da fábrica ficava ao longo do jardim, e a empresa precisava atravessar a propriedade da família para demolir essa parede.

Alegando prejuízos, a empresa entrou na Justiça contra a mãe de Georgina. O primeiro juiz decidiu em favor da empreiteira e determinou que Sandra pagasse 25 mil libras (quase R$ 70 mil) em custos legais e "uma soma de cinco dígitos" em indenizações pela interrupção do trabalho da empresa.

Segundo a família, esse valor arruinaria as suas finanças e poderia levar à perda da casa.

Defesa

No entanto, Georgina resolveu assumir a defesa da família - mesmo sem treinamento legal - e apelou na Alta Corte do país.

Durante o processo, ela conseguiu mostrar que a decisão anterior dava à empreiteira apenas acesso parcial à área. A decisão anterior foi revertida e a Justiça ainda ordenou a empresa a pagar uma indenização de 75 mil libras (mais de R$ 200 mil) à família.

A história foi lida pelo executivo-chefe da faculdade BPP Law School, Peter Crisp, que propôs à instituição oferecer a Georgina uma bolsa de estudos no valor de mais de 10 mil libras (cerca de R$ 27 mil) por dois anos.

"Ficamos muito impressionados com o caso de Georgina e acreditamos que esta experiência será uma grande vantagem em sua carreira legal", disse Crisp ao jornal The Independent.

O primeiro dia de aulas de Georgina na universidade, no centro de Londres, foi quinta-feira. "Nunca sequer sonhei que eu seria capaz de ir para a universidade", disse a aluna. "Eu pensava que tinha perdido minha única chance."

Após a conclusão do curso, Georgina pretende se especializar em fazer defesas em tribunal.