Israel pede que ONU adie investigação sobre ataque a frota

Barco militar israelense se aproxima de navio com ajuda a Gaza no mar Mediterrâneo (arquivo)
Image caption Barco militar israelense se aproxima de navio com ajuda a Gaza no mar Mediterrâneo (arquivo)

Israel pediu que a Organização das Nações Unidas (ONU) suspenda as tentativas de organizar um inquérito internacional para investigar o ataque à frota de barcos que tentou furar o bloqueio à Faixa de Gaza, que resultou em nove mortes no dia 31 de maio.

O ministro da Defesa israelense, Ehud Barak, afirmou que disse ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para arquivar a investigação por enquanto, pois ainda estão ocorrendo novas tentativas de furar o bloqueio à Faixa de Gaza.

"Compartilhei com o secretário-geral nossas opiniões sobre sua expectativa de estabelecer um inquérito internacional para este incidente recente e expressamos nossa opinião de que, por enquanto, enquanto novas frotas estão sendo preparadas, provavelmente é melhor adiar por um certo tempo e nós estamos indo em frente com nossa investigação independente, que acreditamos ser claramente independente, confiável e digna de crédito", afirmou.

De acordo com a correspondente da BBC na sede da ONU em Nova York, Barbara Plett, Barak ainda disse que um navio estaria se preparando para sair do Líbano, e alertou que isto poderia resultar em mais violência.

Barak ainda afirmou, caso algo aconteça na região, o governo de Israel vai responsabilizar o governo do Líbano.

Comissão de inquérito

O Conselho de Segurança da ONU pediu por uma investigação imparcial e confiável a respeito do ataque israelense que matou nove ativistas no dia 31 de maio.

O navio atacado transportava mais de 600 ativistas e voluntários e liderava a frota de seis embarcações que tentava furar o bloqueio israelense e carregar ajuda humanitária para a Faixa de Gaza.

Em resposta ao pedido, o secretário-geral Ban Ki-moon está tentando organizar um inquérito internacional mesmo depois de Israel, com o apoio dos Estados Unidos, ter anunciado sua própria comissão de inquérito.

Israel estabeleceu um bloqueio ao território palestino em 2007 após o grupo Hamas ter assumido a região. Mas o impacto deste bloqueio na economia da Faixa de Gaza atraiu muitas críticas contra Israel.

E, depois do ataque à frota no dia 31 de maio, Israel foi alvo de críticas ainda mais duras da comunidade internacional.

Segundo Barbara Plett também há muito ceticismo entre alguns governos europeus a respeito da credibilidade de uma investigação do incidente realizada por Israel.

A maioria dos mortos no ataque à frota era de ativistas turcos e o governo da Turquia insiste na realização de uma investigação internacional.

Mas a pressão por este inquérito internacional poderá diminuir devido à decisão tomada recentemente por Israel de relaxar o bloqueio ao território palestino.

Notícias relacionadas