Sul-africanos festejam classificação de Gana para as quartas-de-final

Torcedores comemoram a vitória de Gana
Image caption Sul-africanos comemoraram a classificação de Gana para as quartas-de-final

A vitória de Gana sobre os Estados Unidos por 2 x 1, neste sábado, trouxe uma nova injeção de ânimo para os sul-africanos.

Após a eliminação dos Bafana Bafana (apelido da seleção local), na última terça-feira, e a saída de outras quatro equipes africanas do Mundial, o clima para muitos na África do Sul era de fim de festa. Mas a classificação de Gana para as quartas-de-final foi bastante comemorada.

Na área de Melrose Arch, que reúne bares e restaurantes no norte de Johanesburgo, centenas de pessoas se reuniram para ver a partida e festejaram a vitória ganense como se fosse a de sua própria seleção.

“Sou africana e tenho que apoiar as equipes do meu continente. Vou torcer por Gana até o fim”, disse à BBC Brasil a sul-africana Michal Shioo, que assistiu ao jogo com um grupo de amigas.

“Esta vitória é muito importante para unir as pessoas da África, tanto aquelas que estão em suas mansões, como as que estão nas favelas”, afirmou Greg Anthony, de Serra Leoa. “Foi uma grande conquista.”

Roger Milla

Image caption Roger Milla criticou treinadores estrangeiros nas seleções africanas

Gana vai enfrentar o Uruguai pelas quartas-de-final, no dia 2 de julho. Sua classificação marca apenas a terceira vez na história em que uma equipe africana chega a essa fase da Copa do Mundo.

A última vez foi com o Senegal, em 2002, e a primeira vez foi em 1990, com a equipe de Camarões.

Um dos heróis daquela conquista, Roger Milla, deu uma entrevista coletiva neste sábado, em Johanesburgo, e lamentou o fato de as demais equipes africanas desta Copa não terem passado da fase dos grupos.

“Foi uma pena, porque aqui jogaram as melhores seleções da África. Mas ainda falta disciplina, organização e preparação adequadas”, afirmou.

Milla também criticou a presença de treinadores estrangeiros nas seleções africanas, e disse que este Mundial pode ser a prova de que essa ideia não funciona.

“É preciso dar oportunidade para os técnicos africanos. Em Camarões, temos Jean-Paul Akono, que foi campeão olímpico (em Sydney, em 2000), e até hoje ele não teve uma boa oportunidade”, disse o ex-jogador.

Em 2006, na Alemanha, Gana foi eliminada pelo Brasil nas oitavas-de-final.

Na atual Copa do Mundo, África do Sul, Costa do Marfim, Argélia, Camarões e Nigéria não conseguiram passar da primeira fase.