Com problemas mentais, agressor de Berlusconi não irá a julgamento

Berlusconi logo depois do ataque em dezembro de 2009 (arquivo)
Image caption Berlusconi passou quatro dias no hospital depois de ataque

O homem que atacou em dezembro passado o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, foi nesta terça-feira considerado sem condições psiquiátricas de ir a julgamento.

Massimo Tartaglia, de 42 anos, jogou no rosto do premiê uma miniatura da catedral de Milão, quebrando dois dentes e o nariz de Berlusconi.

A juíza Luisa Savoia disse que Tartaglia não tinha consciência de suas ações quando realizou a agressão, em 13 de dezembro do ano passado.

Ela determinou que Tartaglia, que já tinha um histórico de problemas psiquiátricos, permaneça mais um ano em observação em um hospital especializado.

Atmosfera volátil

O ataque aconteceu no centro de Milão depois de um comício no qual o líder italiano tinha feito um discurso.

Enquanto Berlusconi assinava autógrafos, Tartaglia o atingiu com a estatueta.

Na ocasião, antes de ser levado para o hospital, Berlusconi subiu no carro que o tinha levado para o comício para mostrar à multidão que estava bem.

Depois do ataque, o primeiro-ministro italiano passou quatro dias em um hospital. E Tartaglia foi acusado de lesão corporal com agravante.

De acordo com o correspondente da BBC em Roma Duncan Kennedy, Berlusconi usou o ataque para atingir seus inimigos políticos, a quem o premiê italiano acusou de causar a atmosfera volátil, logo depois de uma série de escândalos envolvendo o primeiro-ministro.

Notícias relacionadas