Klose: astro apagado brilha na Copa e pode virar maior artilheiro de todos os tempos

Miroslav Klose

Quem anda pelas ruas das cidades sul-africanas, talvez não perceba que a Copa do Mundo já acabou para craques como Messi, Cristiano Ronaldo, Kaká, Wayne Rooney e Didier Drogba. Os jogadores ainda são estrelas de diversos outdoors publicitários espalhados pela cidade, e aparecem em pôsteres em lojas esportivas.

No entanto, nenhum dos jogadores sequer passou das quartas de final com suas seleções, e apenas Drogba e Cristiano Ronaldo marcaram gols na Copa e mesmo assim, apenas um gol cada.

Quem pode roubar a cena na África do Sul é um jogador mais discreto, que é reserva em seu clube e passou praticamente desapercebido ao longo da última temporada. Na África do Sul, não há nenhuma foto sua em qualquer propaganda.

Trata-se de Miroslav Klose, que já fez quatro gols pela Alemanha neste Mundial. Caso ele anote mais um na Copa do Mundo, tornará-se, ao lado do brasileiro Ronaldo, o maior artilheiro de toda a história das Copas, com 15 gols. Com dois gols, atingirá isoladamente o recorde.

Klose tem números de superestrela quando se fala em Copa do Mundo. Foi vice-artilheiro em 2002 e artilheiro em 2006. Em sua terceira Copa, ele possui mais que o dobro de gols da soma de todos os atacantes listados acima.

No entanto, fora da Copa, o jogador é um artilheiro comum. Nunca jogou fora da Alemanha e foi artilheiro do campeonato nacional apenas uma vez, em 2006, pelo Werder Bremem. Chegou ao Bayern de Munique em 2007, onde marcou apenas seis gols na última temporada e assistiu à maioria dos jogos do banco de reservas. Pelo campeonato alemão, foram apenas três, menos do que os quatro marcados na Copa.

Seu contrato de quatro anos com o Bayern é estimado em 10 milhões de euros. O valor é igual ao salário anual do seu companheiro de clube, o francês Franck Ribery, eliminado na primeira fase da Copa. Para vender Ribery, o Bayern quer mais de 100 milhões de euros – dez vezes o valor do alemão.

Rejeitado

Pela escassez de gols pelo Bayern na última temporada, a maioria dos alemães sequer queria vê-lo na Copa do Mundo.

O repórter Kai Feldhaus, do jornal alemão Bild, revela que Klose foi uma aposta do treinador para a Copa. Antes da Copa, dada a má-fase do atacante, os torcedores queriam outros nomes no time, mas Joachim Loew não estava convencido sobre as alternativas.

“Mario Gomez não estava passando pela melhor das fases. Cacau estava em boa forma, mas não era exatamente o jogador que se precisava ali na frente, Stepham Kiessling [do Bayer Leverkusen] teve uma temporada sensacional, mas não tem experiência internacional, então Loew escolheu a opção mais fácil e apostou que daria certo”, disse Feldhaus à BBC Brasil.

“Para mim, é um milagre. Sempre foi a primeira opção de Loew, mas nunca dos torcedores.”

Thomas Kattenbeck, da rádio ARD, explica que os alemães não têm ilusões quanto à Klose. Segundo ele, ninguém cobra exibições de luxo do jogador, mas todos sempre esperam poder contar com gols decisivos do artilheiro.

“O Klose é o Klose.Ele mesmo diz: eu sou sempre o mesmo, eu não tenho medo, eu sei o que eu posso fazer. Ele não está melhor nem pior do que no passado, ele sempre foi o mesmo” disse Kattenbeck à BBC Brasil.

“Antes da Copa, havia a pressão por Cacau, que acabou se machucando. Klose tem esse outro poder: ele está sempre presente quando os alemães precisam.”

Antítese da estrela

Tímido e reservado, Klose é a antítese da estrela de futebol dos tempos modernos e aparece muito pouco na mídia alemã. Para Holger Gertz, jornalista esportivo do jornal Sueddeutsche Zeitung, os alemães identificam-se com Klose, por seu estilo normal e sem afetação.

“Ele é uma estrela silenciosa no país. Ele conta com a simpatia dos alemães, que veem sua passagem ruim pelo Bayern como azar”, disse ele à BBC Brasil.

Sua única extravagância em campo é dar um salto mortal após gols importantes. Durante a Copa, ele disse que abandonaria a prática, com medo de se machucar, no entanto, contra a Argentina ele voltou atrás, a pedido de seus dois filhos, que estavam no estádio assistindo à partida. Klose marcou dois gols na goleada por 4 a 0 sobre a Argentina.

“Ele é um cara tímido e muito de família, e aparece pouco. Se ele tivesse um corte de cabelo espalhafatoso, um grande ego e fosse exibido, ele poderia ser uma estrela muito maior do que é”, afirma Feldhaus.

Ele diz que Klose completou 100 jogos pela seleção alemã, um feito alcançado por poucos jogadores na história da equipe. Quando Lothar Mattheus atingiu a marca, houve um grande jogo para celebrar a marca, mas com Klose poucas pessoas sequer perceberam.

Sobre o futuro de Klose, os jornalistas alemães acreditam que o fim da carreira do jogador, hoje com 32 anos, está próximo.

“Eu acho que ele jogará mais um ano pelo Bayern de Munique e depois procurará um clube menor e jogará até os 35, 36 anos”, diz Thomas Kattenbeck, jornalista esportivo alemão. “Depois da próxima Eurocopa [em 2012], no máximo, ele encerrará sua carreira internacional, acrescentou Thomas.”

Notícias relacionadas