Dissidentes libertados dizem não ver abertura em Cuba

José Luis Garcia (esq.) e Normando Hernandez (centro) durante envento em Madri (foto: Reuters)
Image caption Hernandez (centro) afirma que Cuba não está se abrindo para democracia

Os ex-prisioneiros políticos cubanos que chegaram nesta semana à Espanha afirmaram em entrevista à BBC que sua libertação não é um sinal de mudança nas condições políticas do país.

Nove dissidentes chegaram na terça-feira em Madri, após um acordo fechado na semana passada entre o governo cubano, a Igreja Católica de Cuba e diplomatas espanhóis, que prevê a libertação gradual de 52 prisioneiros.

Normando Hernandez, um dos ex-prisioneiros, afirmou que os motivos do governo de Cuba precisam ser compreendidos.

"Cuba não está se abrindo para a democracia", disse.

"Pessoalmente, acredito que é um truque do governo de Cuba. As necessidades econômicas da ilha são enormes. A situação social é crítica."

"Por isso é que é importante chamar a atenção das comunidades internacionais para este aspecto do governo cubano, para que eles não sejam enganados novamente", disse Hernandez à BBC em Madri.

Hernandez foi preso em 2003, supostamente por organizar uma universidade independente de jornalismo em Cuba.

O dissidente disse à BBC que sua saúde foi muito prejudicada pela alimentação e pelas condições sanitárias ruins a que esteve submetido durante seus sete anos de prisão.

Futuro

Os exilados cubanos agora vivem em acomodações temporárias, nos arredores da capital espanhola.

Muitos deles estão acompanhados das esposas depois de sete anos de separação, mas, segundo Hernandez, o futuro dos refugiados é incerto.

Alguns dos ex-prisioneiros acreditam que não será fácil encontrar emprego no país.

Outros falam em tentar se mudar para os Estados Unidos. Todos afirmam que prefeririam voltar à Cuba.

Notícias relacionadas