BP estende teste para conter vazamento até o domingo

Trabalho de limpeza em praia da Louisiana (foto: Getty)
Image caption Prosseguem as operações de limpeza no local do acidente

A petroleira britânica BP informou neste sábado que o teste na cápsula que vedou o poço danificado e paralisou o vazamento no Golfo do México vai se estender por mais 24 horas.

O comandante da Guarda Costeira dos Estados Unidos e encarregado de coordenar a resposta ao incidente, almirante Thad Allen, afirmou que o "teste de integridade" deve continuar até a tarde de domingo.

Na quinta-feira, a companhia conseguiu parar o fluxo de petróleo pela primeira vez desde abril com a colocação da tampa que vedou o poço.

"Enquanto continuamos observando o sucesso na paralisação temporária do vazamento de petróleo, o governo dos Estados Unidos e a BP concordaram em permitir que o teste de integridade do poço continue por outras 24 horas", afirmou Allen em uma declaração divulgada neste sábado.

Mais cedo, o vice-presidente da BP, Kent Wells, fez uma avaliação otimista porém cautelosa da operação.

"No momento não há provas de que não temos integridade", afirmou Wells em uma entrevista coletiva.

"O fato de a pressão continuar a subir nos dá cada vez mais confiança a medida em que avançamos no teste", acrescentou.

"Quanto mais longo o teste, maior será nossa confiança", disse ele.

Pressão

A grande questão é se a tampa consegue suportar a pressão sem danificar ainda mais o poço.

Segundo especialistas, uma eventual queda da pressão no dispositivo colocado para tampar o poço poderia indicar problemas como outros vazamentos.

A solução é considerada provisória até a construção de outros poços próximos ao vazamento, que cessariam definitivamente o fluxo de petróleo.

De acordo como correspondente da BBC em Washington Andy Gallacher, se a pressão cair ou se for descoberto algum vazamento no fundo do mar, as válvulas da cápsula colocada sobre o poço danificado serão abertas novamente.

Mas, desta vez segundo o correspondente, a BP afirma que estará pronta com quatro cargueiros na superfície para coletar a maior parte ou então todo o petróleo que vazar.

E o trabalho na construção dos poços próximos ao vazamento, que tinha sido interrompido para os testes da cápsula, foi retomado e estes poços devem ser concluídos nas próximas semanas.

Quando o trabalho for concluído, concreto será injetado no poço danificado para seu fechamento definitivo. Mas, de acordo com Gallacher, mesmo se tudo sair como o planejado, o Golfo do México ainda passará por uma enorme operação de limpeza, que poderá levar anos.

O vazamento começou em 20 de abril, quando a plataforma de petróleo Deepwater Horizon, operada pela BP, explodiu e afundou, matando 11 funcionários.

Desde então, a petroleira britânica tentou várias estratégias para conter o vazamento de petróleo, localizado a uma profundidade de cerca de 1,5 mil metros, mas nenhuma conseguiu solucionar o problema, considerado o pior desastre ambiental da história americana.

Notícias relacionadas