Uribe rejeita internacionalização de processo de paz com guerrilhas

Álvaro Uribe
Image caption Uribe disse que proposta para internacionalizar conflito é 'armadilha'

O presidente da Colômbia Álvaro Uribe rejeitou nesta terça-feira a possibilidade de internacionalizar um processo de paz com as guerrilhas colombianas, ao afirmar que a medida daria "oxigênio" aos grupos armados.

"Sabemos que a cobra do terrorismo quando sente que está encurralada e que está com uma corda no pescoço pede processos de paz, para que afrouxemos a forca e para que ela possa tomar oxigênio e voltar a envenenar", disse afirmou Uribe, durante ato de despedida no ministério de Defesa, em Bogotá.

As declarações de Uribe ocorrem em meio ao giro que o ministro de Relações Exteriores da Venezuela, Nicolás Maduro, faz a sete países da região para concertar um "plano de paz" que deve ser apresentado na quinta-feira, na reunião de chanceleres da Unasul (União de Nações Sul-Americanas), em Quito, como proposta para solucionar a crise binacional.

Uribe disse que não se deixará "enganar" e que os colombianos sabem “como conduzir processos de paz", em referência ao controvertido processo de desmobilização de grupos paramilitares.

"Agora querem internacionalizar a solicitação para que levantemos a forca e nessa armadilha, não vamos cair", afirmou Uribe, que desde que chegou ao poder, em 2002, endureceu a política de combate às guerrilhas.

Venezuela

Logo depois, o chanceler colombiano Jaime Bermudez disse que a proposta venezuelano representa "intromissão" nos assuntos internos de seu país.

"Não há nada mais sensível que uma política de segurança e paz", afirmou Bermudez.

A saída militar e não negociada do conflito é uma das principais críticas dos opositores do uribismo, por considerar que a medida incrementa a violência no interior do país e afasta a possibilidade real de um acordo de paz, que daria fim à guerra que já dura mais de 60 anos.

Uribe, que deixará o governo em 10 dias, disse que seu governo pede o cumprimento das normas internacionais para combater os grupos armados.

Sem fazer referência direta à Venezuela, Uribe disse que "alguns setores" falam de paz, quando o problema é a segurança regional para que não exista "nenhum bandido".

Notícias relacionadas