Economia dos EUA perde ritmo e cresce 2,4% no 2º trimestre

Casa em consrução e já vendida nos Estados Unidos (foto: AFP)
Image caption Apesar do menor crescimento do PIB, setor imobiliário mostrou reação

Novos dados divulgados nesta sexta-feira mostram uma desaceleração da economia americana no segundo trimestre, com crescimento anualizado de 2,4%.

O crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) de abril a junho foi inferior aos 3,7% registrados no primeiro trimestre e também um pouco abaixo da expectativa do mercado, que apostava em avanço anualizado de pelo menos 2,5%.

Nos Estados Unidos, diferentemente do Brasil, o avanço da economia é medido por uma taxa anualizada (que projeta qual seria a expansão em quatro trimestres consecutivos, caso o ritmo de crescimento se mantenha). Caso o cálculo fosse feito como no Brasil, desconsiderando a taxa anualizada, o crescimento do PIB americano no segundo trimestre em relação ao primeiro foi de 0,6%.

Os dados do Departamento de Comércio dos Estados Unidos são uma estimativa inicial e ainda poderão ser revisados para cima ou para baixo, mas sua divulgação aumentou a preocupação sobre o ritmo da recuperação da economia americana, que enfrenta uma taxa de desemprego de 9,5%.

A desaceleração no trimestre encerrado em junho reflete especialmente um aumento nas importações, que cresceram 28,8%, aliado a um desempenho menos robusto do que o esperado no consumo das famílias, que avançou apenas 1,6% (ante 1,9% no primeiro trimestre).

"Os consumidores apertaram o cinto com mais força do que o previsto inicialmente", disse o economista-chefe da consultoria IHS Global Insight, Nigel Gault, ao comentar os dados.

Enquanto as importações cresceram com vigor, as exportações no segundo trimestre avançaram apenas 10,3%.

Os novos números trazem, porém, alguns dados positivos, como o avanço de 17% nos investimentos fixos não-residenciais (que incluem itens como prédios comerciais e compra de equipamentos), bem acima dos 7,8% registrados no trimestre anterior.

Reação

Apesar dos temores provocados pela divulgação dos novos dados, a presidente do Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca, Christina Romer, disse que o resultado mostra uma recuperação firme da economia.

"O crescimento médio na primeira metade de 2010 ficou acima de 3%. Essa sólida taxa de crescimento indica que o processo de firme recuperação da recessão continua", disse Romer, em um comunicado.

A conselheira admitiu, porém, que é necessário acelerar o ritmo de crescimento.

"No entanto, é necessário um crescimento mais rápido para trazer uma redução substancial do desemprego", afirmou.

"Claramente ainda há muito trabalho a ser feito antes que a economia dos Estados Unidos esteja completamente recuperada", disse Romer.

O Departamento de Comércio ressalta que os dados são preliminares e podem ser modificados. Uma nova estimativa sobre o desempenho da economia americana no segundo trimestre será divulgada no final de agosto.

O relatório desta sexta-feira também revisou para cima o desempenho do primeiro trimestre, passando dos 2,7% anualizados divulgados anteriormente para 3,7%.

Notícias relacionadas