Cozinheiro de Bin Laden é condenado a 14 anos de prisão

Representação artística de Ibrahim al-Qosi no tribunal
Image caption Qosi se declarou culpado durante o julgamento

O ex-cozinheiro e motorista de Osama Bin Laden foi condenado a 14 anos de prisão nesta quarta-feira por um tribunal na Baía de Guantánamo.

O sudanês Ibrahim al-Qosi admitiu acusações de conspiração e de fornecer apoio a atos terroristas.

Ele pode server menos tempo da sentença por causa de um acordo com a acusação, cujos detalhes devem permanecer secretos por algumas semanas.

Qosi admitiu trabalhar como segurança pessoal de Bin Laden e ajudá-lo a evitar a captura por forças americanas.

O Pentágono irá revisar a sentença.

Qosi, de 50 anos de idade, foi preso por soldados americanos em 2001 após deixar o refúgio da Al Qaeda nas montanhas de Tora Bora, no Afeganistão.

Durante o julgamento, ele admitiu comandar a cozinha de Bin Laden estando ciente de que a Al Qaeda era uma organização terrorista, segundo o correspondente da BBC em Washington Steve Kingstone.

A promotoria afirmou que Qosi havia insultado a inteligência do tribunal ao insistir ser um mero cozinheiro.

Ele tornou–se a quarta pessoa detida em Guantánamo a ser condenada, a primeira desde que Barack Obama assumiu a presidência dos Estados Unidos.

O centro já abrigou mais de 800 supostos militantes, dos quais cerca de 180 ainda estão detidos no local.

Obama prometeu fechar o controverso centro até janeiro deste ano mas um desentendimento com o Congresso sobre para onde transferir os detidos adiou o plano.

Notícias relacionadas