Grupos palestinos na Síria rejeitam negociações com israel

Khaled Meshaal/AFP
Image caption O líder do Hamas elogiou a posição comum dos diferentes grupos

Organizações palestinas baseadas na Síria emitiram um comunicado neste domingo rejeitando negociações, diretas entre o chefe da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas e Israel.

Os grupos, incluindo duas organizações seculares e o Hamas, classificaram as negociações de perigosas.

"Insistir em negociações diretas dá crédito para Israel em um momento em que cresce seu isolamento", disse o comunicado, lido por Maher al-Taher, um dos dirigentes da frente Popular para a Libertação da Palestina, que não costuma adotar as mesmas posições que o Hamas.

O líder do Hamas, Khaled Meshaal classificou o encontro dos grupos de "excepcional" por ter conseguido uma posição comum de organizações que, segundo ele, representam a maioria dos palestinos.

Israel

A imprensa israelense afirma que o governo de Israel rejeitou uma proposta palestina de negociações diretas baseadas nas diretrizes propostas pelo quarteto que negocia a paz no Oriente Médio (Estados Unidos, Rússia, ONU e União Europeia).

Abbas havia indicado estar aberto a negociações se fossem seguidas as recomendações emitidas pelo quarteto em 19 de março.

Estas incluem o congelamento das construções israelenses em assentamentos na Cisjordânia, um prazo de 24 para se alcançar a paz com os palestinos e a criação de um Estado palestino com base nas fronteiras existentes antes da guerra de 1967.

Os Estados Unidos vêm pressionando Abbas para retomar as negociações, interrompidas diretas após a ofensiva israelense na Faixa de Gaza, entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009.

Netanyahu disse aceitar a ideia de um Estado palestino, com algumas ressalvas, mas não admite dividir o controle de Jerusalém oriental, que os palestinos pretendem ter como a capital de um eventual Estado.

Neste domingo Abbas se encontraria com o enviado americano para o Oriente Médio, David Hale, para discutir a possibilidade da retomada de negociações com Israel.

Notícias relacionadas