Especialistas apontam principais desafios para mineiros confinados

Familiares dos mineiros
Image caption Os mineiros devem receber apenas notícias positivas da superfície

Quais os principais desafios para o grupo de 33 mineiros presos a cerca de 700 metros debaixo da terra em uma mina no norte do Chile enquanto esperam o resgate, previsto para demorar entre três e quatro meses?

O psicólogo James Thompson, da University College de Londres, especialista em trauma, disse que é importante que os familiares dos confinados sejam instruídos para não aumentar seu estresse.

A instalação de uma linha telefônica pelo pequeno buraco de oito centímetros, a única forma de comunicação do grupo com a superfície, pode ter aspectos positivos e negativos, segundo ele.

O especialista diz que as pessoas na superfície devem transmitir mensagens positivas a respeito da libertação dos mineiros e detalhes leves sobre a vida cotidiana, evitando transmitir notícias ruins ou insegurança quanto ao futuro.

Image caption Os homens devem passar meses sem ver a luz do sol

Thompson fala que informes sobre o resgate devem ser tratados da mesma forma. Assim, se algo der errado, os mineiros só devem saber quando o problema for resolvido.

O especialista em minas neozelandês Dave Feickert, que dá consultoria ao governo chinês sobre como melhorar a segurança de suas minas, acredita que os desafios físicos que seriam demais para a maioria das pessoas, como pouco espaço e ausência de luz, podem ser suportados por mineiros acostumados a condições difíceis.

Temperatura

Um dos maiores problemas apontados pelos especialistas é o calor crescente que o grupo deve enfrentar, a medida em que o hemisfério sul for saindo do inverno e entrar no verão.

Os mineiros devem enfrentar temperaturas entre 32ºC e 34ºC, causando desconforto, drenando energia e potencialmente aumentando as tensões no grupo.

Feickert diz que é importante os mineiros receberem ventilação apropriada, dependendo de o calor ser seco ou úmido, já que estão acostumados com o calor das profundezas, "mas por períodos curtos".

O especialista em fisiologia da Universidade de Brighton Alan Richardson diz que um adulto sob essas condições bebe cerca de quatro litros de água por dia, o que pode ser difícil de proporcionar aos mineiros.

Image caption O resgate deve acontecer quando for verão na região

"Se eles não se hidratarem o suficiente perderão peso por meio de perda de líquidos. O baixo nível de oxigênio terá o mesmo efeito", diz ele.

Richardson diz que não deve demorar muito para a forma física dos confinados se deteriorar.

"Eles vão perder músculos por não conseguir se mover tanto quanto se moveriam em condições normais. Quando saírem de lá, será como astronautas voltando de uma missão espacial", afirma.

O especialista sugere exercícios simples, como movimentos de resistência contra as paredes, embora seja praticamente inevitável que eles percam músculos, o que deve fazer com que eles fiquem mais letárgicos.

Isso os ajudaria a dormir, mas manter-se ativos é importante para evitar que o grupo caia em depressão.

Psicologia

Para evitar o tédio, Feickert diz que os mineiros devem se organizar para cumprir tarefas, como recolher o lixo ou fazer a limpeza.

"Mesmo se não for um trabalho muito útil, é importante para a moral fazer alguma coisa, nem que for para esquecer que eles estão presos", diz ele.

Ligar as luzes de dia e apagá-las à noite pode ser útil para dar foco a eles, diz o especialista.

Thompson diz que é positivo o fato de os mineiros não saberem que devem ser resgatados apenas por volta do Natal já que o estresse pode parecer intolerável quando não há sinal de luz no fim do túnel.

"Quando eles perguntarem 'quanto tempo ficaremos aqui?' eu diria o que está sendo feito, como 'já perfuramos tantos metros'", diz ele que recomendou ainda o envio de fotos dos esforços para os mineiros.

Outro ponto fundamental destacado pelo professor de psicologia da universidade britânica de Portsmouth, Mike Tipton, é a manutenção das condições de higiene para evitar infecções.

"Se você mantêm 33 mineiros no subterrâneo por 120 dias, terá que lidar com muitos dejetos humanos", diz ele.

Notícias relacionadas