Conservadores reúnem milhares em manifestação em Washington

Conservadores reunidos no Lincoln Memorial, em Washington
Image caption Conservadores reunidos no Lincoln Memorial, em Washington

Dezenas de milhares de pessoas participaram neste sábado de uma manifestação organizada pelo apresentador de televisão conservador Glenn Beck em Washington, Estados Unidos.

O evento, chamado de "Restaurando a Honra", gerou polêmica e críticas de lideres do movimento de direitos civis, pois foi realizado no Lincoln Memorial, o mesmo lugar onde Martin Luther King fez seu famoso discurso "Eu tenho um sonho" há exatos 47 anos.

Além de Glenn Beck, que já descreveu o presidente americano, Barack Obama, como um racista que odeia brancos, a ex-candidata a vice-presidente pelo Partido Republicano Sarah Palin também participou da manifestação.

Em seu discurso, Palin comparou os participantes da manifestação com os ativistas defensores dos direitos civis que marcharam em Washington em 1963 para o discurso de King.

"Vocês tem a mesma espinha dorsal de aço e a coragem moral de (George) Washington, de (Abraham) Lincoln e Martin Luther King", afirmou Palin acrescentando que o mesmo espírito que ajudou os ativistas em 1963 a superar a opressão e a violência também ajudará os participantes da manifestação deste sábado.

Em seu discurso, Beck, que também é apresentador no canal Fox News, afirmou que os Estados Unidos "vagaram na escuridão" por muito tempo.

"Hoje a América começa a se voltar para Deus", afirmou.

De acordo com o correspondente da BBC em Washington Paul Adams, os participantes da manifestação queriam reafirmar o patriotismo e dividir a convicção de que o país se perdeu.

A multidão, segundo Adams, era pacífica mas acredita também que suas liberdades estão sendo limitadas pelo governo.

Polêmica

Image caption Reverendo Al Sharpton (centro, de preto) liderou outra manifestação em Washington

Uma outra manifestação, em oposição aos conservadores, foi organizada pelo reverendo Al Sharpton ao mesmo tempo que os conservadores se reuniam no Lincoln Memorial. Os participantes marcharam até o local onde foi proposta a construção de um monumento em homenagem a King, não muito longe do Lincoln Memorial.

Defensores dos direitos civis afirmam que a mensagem de Glenn Beck e dos conservadores é contrária à mensagem de Martin Luther King.

"É uma afronta a tudo o que movimento dos direitos civis representava", afirmou ao jornal Atlanta Journal-Constitution o congressista pelo Estado da Geórgia John Lewis, que também participou da marcha em 1963.

"Nunca fizemos nada com raiva e nunca tentamos dividir as pessoas. Glenn Beck é uma força muito divisiva", acrescentou.

A marcha de 1963 foi um momento crucial do movimento de defesa dos direitos civis dos Estados Unidos. O discurso "Eu tenho um Sonho" de King, no Lincoln Memorial, previu um país unido, livre da discriminação racial. É um dos trabalhos mais famosos da oratória americana.

Glenn Beck, por outro lado, é uma das vozes famosas contra o governo de Barack Obama e faz parte do movimento conservador Tea Party, que se opõe ao governo Obama. Este movimento reúne os conservadores contra os impostos e a intervenção do governo.

O apresentador afirma que, quando planejou a manifestação em Washington para este sábado, não estava ciente que o dia 28 de agosto era o aniversário da marcha de 1963.

"Não é a data, é a mensagem", disse o apresentador em seu programa de televisão na quinta-feira.

"Ouvi várias vezes na mídia que, por causa deste evento, da data deste evento, eu estaria, de alguma forma, sequestrando o discurso de Martin Luther King. Não sou grandioso o bastante para fazer isto. Ninguém é", afirmou.

Notícias relacionadas