Atiradores matam quatro colonos israelenses na Cisjordânia

Cidade de Hebron
Image caption Hebron é considerado o maior reduto do Hamas na Cisjordânia

Quatro colonos israelenses, incluindo uma mulher grávida, foram mortos nesta terça-feira por atiradores que dispararam contra um carro no sul da Cisjordânia, matando todos os ocupantes, segundo a polícia de Israel.

As vítimas seriam colonos moradores de assentamentos na região de Hebron.

O grupo militante palestino Hamas elogiou o ataque, classificando-o de "resposta normal aos crimes da ocupação", de acordo com um porta-voz do grupo em Gaza.

Mais tarde, o braço armado do grupo assumiu a responsabilidade pelo atentado.

O ataque ocorreu perto da cidade de Hebron, dois dias antes da retomada das negociações de paz entre israelenses e palestinos em Washington.

Hebron

Há vários assentamentos judaicos na região onde ocorreu o atentado e a polícia israelense já mencionou a possibilidade de que colonos habitantes da área possam tentar vingar a morte de seus colegas, atacando aldeias palestinas vizinhas.

Hebron é o principal reduto do Hamas na Cisjordânia e, segundo as forças de segurança palestinas, mais de 500 militantes do grupo estão presos nas cadeias da Autoridade Palestina nessa área.

De acordo com analistas locais, o ataque pode causar um grande constrangimento ao presidente palestino, Mahmoud Abbas, que estava reunido com a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, no momento do incidente.

Um bilhete foi enviado a Abbas durante a reunião com Clinton, relatando sobre o ataque aos colonos.

Nos últimos dois anos, as forças de segurança da Autoridade Palestina, treinadas por militares americanos, conseguiram impedir atentados contra alvos israelenses.

Segundo o analista militar do Canal 10 da TV israelense, Alon Ben David, o Exército de Israel tinha previsto atentados por parte de grupos palestinos militantes que tentariam prejudicar a retomada das negociações.

O analista também afirmou que, nos últimos dias, o chefe do Estado Maior das Forças Armadas israelenses deu instruções especificas às tropas na Cisjordânia para manter um alerta especial, em vista do risco de atentados nesse momento político.

Notícias relacionadas