Europa

Espanha desbarata rede de prostituição masculina de brasileiros

Foto divulgada pela polícia após a prisão

Prisões foram feitas em cinco cidades diferentes da Espanha

A polícia nacional da Espanha anunciou nesta terça-feira a prisão de 14 pessoas envolvidas em uma rede dedicada a explorar sexualmente homens brasileiros.

Segundo a polícia, a rede, formada em sua maioria por brasileiros, atraía outras pessoas do país com passagens de avião e promessas de trabalho na Europa.

Ao chegar à Espanha, eles eram obrigados a se prostituir para pagar dívidas que chegavam a 4 mil euros (cerca de R$ 8,9 mil).

Os homens eram distribuídos por diferentes casas de encontros pelo país e precisavam estar disponíveis para programas 24 horas por dia.

Para atrair clientes, as fotos dos brasileiros foram publicadas em anúncios em revistas e em sites na internet anunciando seus serviços.

Viagra

Segundo a polícia, os homens recebiam da rede de prostituição Viagra, cocaína e outras drogas.

Eles eram obrigados a dar à rede 50% do que recebiam com os programas e pagar pelo alojamento e alimentação, além de quitar a dívida da passagem e do transporte.

De acordo com as autoridades policiais, os homens que se recusavam a cumprir as ordens da gangue ou causavam algum problema eram submetidos a ameaças de morte.

Até às 12h desta terça-feira, a polícia espanhola ainda não tinha um balanço com o número de homens explorados pela rede, mas 17 deles também foram detidos pelas autoridades locais sob a acusação de estarem ilegalmente no país.

As prisões foram feitas pela polícia nas cidades de Palma de Mallorca, León, Barcelona, Alicante e Madri.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.