Alemanha premia autor de polêmica caricatura de Maomé

Kurt Westergaard
Image caption O autor disse que está 'velho demais' para se esconconder

O autor de uma polêmica caricatura do profeta Maomé que causou protestos no mundo islâmico no início de 2006 recebeu nesta quarta-feira um prêmio na Alemanha por sua defesa da liberdade de expressão.

Em uma cerimônia que contou com a participação da chanceler alemã Angela Merkel, o cartunista dinamarquês Kurt Westergaard recebeu o Prêmio de Mídia M100 2010, na cidade de Potsdam.

Westergaard compareceu à cerimônia sob um forte esquema de segurança.

A publicação de uma caricatura de sua autoria no jornal dinamarquês Jyllands-Posten, em 2005, fez com que ele recebesse ameaças de morte e causou uma onda de violência e protestos.

O desenho mostrava o turbante de Maomé como uma bomba, com o pavio aceso.

Alcorão

A decisão de Merkel de participar da cerimônia foi encarada com surpresa na Alemanha.

O jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung chegou a classificar a sua presença como “provavelmente o mais explosivo compromisso de seu mandato até agora”.

Durante a cerimônia, Merkel defendeu o direito de Westergaard de publicar a caricatura e fez elogios à liberdade de imprensa na Europa.

Em seu discurso, Merkel abordou ainda a polêmica a respeito da intenção de um pastor norte-americano de queimar exemplares do Alcorão para marcar o aniversário dos ataques de 11 de setembro.

Merkel classificou a iniciativa como “desrespeitosa, repugnante e simplesmente errada”.

Leia também na BBC Brasil: Casa Branca e Petraeus condenam igreja americana que pretende queimar Alcorão

Protestos

As caricaturas de Westergaard causaram polêmica em vários países logo após sua publicação.

Muçulmanos de vários países realizaram protestos nos primeiros meses de 2006 e instalações diplomáticas dinamarquesas foram incendiadas na Síria e no Líbano.

Em 2008, outros 20 jornais dinamarqueses reproduziram a ilustração, causando uma nova onda de protestos.

Em 2009, dois homens foram detidos em Chicago, acusados de planejar um ataque contra o jornal que primeiro publicou a caricatura, o Jyllands-Posten.

Em janeiro deste ano, um cidadão da Somália foi acusado de invadir a casa do autor e ameaçá-lo com uma faca.

Extremistas islâmicos ofereceram uma recompensa de US$ 1 milhão pelo assassinato de Westergaard, que vem recebendo proteção do serviço secreto dinamarquês nos últimos anos.

No ano passado, o autor de 75 anos de idade disse à BBC que estaria "velho demais para se esconder".

Notícias relacionadas