Sarkozy e líder da Comunidade Europeia têm discussão sobre ciganos

O presidente francês falou sobre os ciganos em Bruxelas
Image caption Sarkozy disse que comparação com a ocupação nazista foi 'nojenta'

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, teve nesta quinta-feira uma discussão com o presidente da Comissão Europeia (órgão executivo da União Europeia) devido à expulsão de centenas de romas (conhecidos como ciganos) do território francês.

Diversas fontes disseram à imprensa que houve “gritos” durante uma conversa entre os dois políticos na Cúpula da União Europeia, em Bruxelas, embora depois Sarkozy tenha dado uma versão diferente dos fatos.

"Se há alguém que manteve a calma e se absteve de fazer comentários excessivos, esse alguém fui eu", declarou Sarkozy.

"Conheço Barroso bem e o respeito. Mas sou o chefe de Estado francês, não posso permitir que insultem meu país".

A repórter da BBC Oana Lungescu, que está na cúpula, disse que esta é uma disputa sem precedentes entre Bruxelas e Paris.

Críticas

Sarkozy também reagiu às críticas feitas por uma autoridade da Comissão Europeia (órgão executivo da União Europeia) à deportação de romas e disse que vai continuar a desmantelar acampamentos ilegais, independentemente da origem ou cultura das pessoas quem vivem neles.

A comissária europeia de Justiça, Viviane Reding, comparou na última terça-feira o que está ocorrendo na França às perseguições realizadas no país durante a ocupação nazista, dizendo que não esperava ver o que está ocorrendo “depois da Segunda Guerra”. Mais tarde, ela disse lamentar as interpretações da sua declaração.

Em uma coletiva, Sarkozy disse que comentários de Reding foram “escandalosos” e que todos os chefes de Estado e de governo presentes na cúpula ficaram “chocados” com as comparações.

“As palavras nojentas e vergonhosas que foram usadas – Segunda Guerra Mundial, a evocação dos judeus – nos chocaram profundamente”, disse.

“É claro que não estamos mirando uma minoria étnica específica. Estamos visando os assentamentos ilegais.”

Barroso admitiu que, durante as últimas semanas, comentários “fora da ordem” foram feitos. “Mas acho que precisamos deixar isso de lado agora”, disse.

Polêmica

A França deportou cerca de mil romas em agosto, como parte de uma operação para desmantelar acampamentos ilegais no país.

O presidente Sarkozy disse que cerca de 500 acampamentos foram eliminados em agosto, dos quais 199 eram assentamentos de romas.

Ele afirmou ainda que das 5,4 mil pessoas expulsas dos acampamentos, a maioria cidadãos franceses.

No entanto, um memorando do Ministério do Interior francês, que vazou na segunda-feira, alimentou a controvérsia sobre a operação.

No documento, autoridades foram instruídas a mirar em acampamentos de romas em vez de lidar com os imigrantes caso a caso, como o ministro francês da migração e o ministro de assuntos europeus haviam assegurado à Comissão.

Notícias relacionadas